Compartilhe esta matéria!

Vem cá e curta esse som

Allan Massay completa 15 anos de carreira lança single “vem cá” e lançaram seu álbum “quinzetrinta” para comemorar

Com uma pegada mais sensual, Allan Massay lança seu mais novo videoclipe, do single “Vem cá”, em parceria com a cantora Maíra Guedes. O som faz parte do novo álbum de Massay intitulado “Quinze Trinta”, que celebra os 15 anos de carreira do artista. O clipe estreou no dia 25 de outubro.

Foi produzido pelos próprios artistas, com ajuda de Johnny Bub, Rui Rodrigues e Cadu Andrade, que formaram recentemente a produtora Novezeroum. O single passeia em uma onda pop e R&B típica brasileira. Narrando o desejo entre um casal, a faixa já possui até um clipe, gravado pela produtora Novezeroum.

O vídeo foi gravado em ambientes de exposição artísticas do renomado brasiliense Douglas Viana. Para Allan, foi uma experiência única a escolha do local. “Nos ajudou demais em todo o processo porque tem tudo a ver com a proposta da música”, ressalta o artista 

Maíra concorda que o lugar não poderia ser diferente. “Unir a nossa música ao trabalho dele foi muito gratificante e enriquecedor para essa experiência e principalmente para o vídeo”, conta.

Allan Massay lança seu mais novo videoclipe, do single “Vem cá”, em parceria com a cantora Maíra Guedes. O som faz parte do novo álbum de Massay intitulado “Quinze Trinta”, que celebra os 15 anos de carreira do artista.


O artista brasiliense Allan Moreira da Silva Lima de, 30 anos mais conhecido como Allan Massay, estudou canto, desde o canto popular, em várias escolas da cidade, até o erudito, com canto coral na Escola de Música de Brasília. Começou a cantar com 15 anos de idade e neste ano está completando 15 anos de carreira e 30 de idade. 

A música o escolheu e desde então o artista não a abandonou. “Foi um processo muito bonito e natural, uma paixão à primeira vista. Desde muito cedo fui estimulado artisticamente pelos meus pais. Com 7 anos eu já cantava no coral da minha escola.  Inúmeras pessoas me ajudaram. Seria bem injusto falar que cheguei até aqui sozinho. Nestes 15 anos, diversas pessoas apoiaram e fortaleceram meu trabalho”. Afirma o cantor

E completa “Mas acho que lá atrás, o apoio dos meus pais foi fundamental. Eles sempre acreditaram em mim, mesmo quando eu mesmo não acreditei. E o que eu estou falando nem é de apoio financeiro e sim de suporte emocional mesmo. E me sinto extremamente privilegiado por isso, pois sei que muitas pessoas acabam não tendo a mesma oportunidade”.


O artista está focado no maior projeto de sua vida, seu primeiro álbum. O nome dele será quinzetrinta (junto mesmo) e vai celebrar essa fase tão importante da carreira, que são os 15 anos como cantor e 30 de idade.


Como artista independente, passou e ainda passa por várias dificuldades, “acho que a maior de todas é que hoje apenas cantar não é suficiente. Precisamos ser influencers, geradores de conteúdo, editores de vídeo e de música.  Por outro lado, eu acho que isso também é bom, porque acabamos nos tornando multifacetados. Mas era MUITO mais difícil para mim quando tinha que conciliar tudo isso com meus outros empregos, quando ainda não vivia 100% de música” Exclama Allan 

Como artista independente, passou e ainda passa por várias dificuldades, “acho que a maior de todas é que hoje apenas cantar não é suficiente.

Sua primeira banda, a “Massay” o estimulou a entender e sentir que tinha uma carreira. Com essa banda, de rock, aprendeu muito sobre a música e tocou em todo o Brasil, chegando até a tocar no festival NOS Alive, lá em Portugal, com Coldplay, Paramore, 30 seconds to Mars e várias outras bandas iradas. Com o tempo e as vivências, foi sentindo a necessidade de lançar seus trabalhos solo e, em 2018, lançou oficialmente a carreira como Allan Massay, ficando 100% em função disto.

Inspirado por vários cantos do mundo. Teve a oportunidade de trabalhar e tocar em Moçambique, Estados Unidos e Portugal. E tentou juntar isso a sua maior paixão: a música brasileira. Por muito tempo se definiu como um artista de Nova MPB, mas, principalmente com a evolução do trabalho, percebeu que seu som era de POP BRASIL com tempero de mundo.

E tudo isso é uma mistura de artistas como: Gilsons, Liniker, Lagum, Jade Baraldo, Rodrigo Alarcon, Jean Tassy, Stewart Sukuma (Moçambique), Neyma (Moçambique), Granmah (Moçambique)

Enquanto músico e pessoa o cantor se sente um só “Eu não consigo separar meu CPF do meu CNPJ, (risos). Então acho que o objetivo é o mesmo: ATINGIR de fato as pessoas através da música. Principalmente durante a pandemia, eu percebi a RESPONSABILIDADE que é ser um artista. Você consegue se imaginar naquele período de reclusão sem ver um filme, ouvir uma música ou ler um livro? Pois é! Arte também é um serviço essencial. A música é muito maior do que eu. E quero ser instrumento dela, me deixar levar pelos caminhos que ela me faz seguir, que estão cada vez mais surpreendentes”. Finaliza o artista


Momentos
“Acho que um dos momentos mais especiais foi exatamente durante a pandemia, quando fui convidado pelo Multishow para participar do Prêmio Multishow a partir do programa 5 cantos, onde 2 artistas de cada região do Brasil foram selecionados para serem entrevistados e contarem a trajetória, devido ao trabalho de destaque em manter a arte viva em tempos de pandemia”. Conta Allan

Durante o programa, foi exibida uma versão de “Paciência”, que gravou com Vitor Kley, Giulia Be, Cleber e Cauan, Joelma e Lucy Alves. Um grande sonho!

Alo Valparaíso/