Saiu o primeiro Boletim Semanal da Dengue de 2016. Os números foram divulgados pela Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO), em seu site oficial. Segundo as informações apresentadas, o ano começou com queda no número de registros em relação ao mesmo período de 2015.


Na semana epidemiológica 01, entre os dias 03.01 e 09.01, foram notificados 1.736 casos em todo território goiano contra 2.428 em 2015. Uma variação de – 28,50%.

Em 2016, a cidade Valparaíso de Goiás aparece com um registro avantajado de incidências e ocupa a 5ª colocação no Estado.

No ranking das sete cidades com maior número de casos confirmados nesta semana estão Goiânia (204), Anápolis (188), Luziânia (140), Rio Verde (117), Valparaíso (103), Aparecida de Goiânia (78) e Senador Canedo (64).

Durante o ano de 2015, Valparaíso sempre se manteve entre os 10 municípios goianos com o maior número de casos notificados de Dengue. Ao todo, foram registrados 2.504 até o dia 10 de outubro. Os dados também confirmaram um óbito ocasionado pela doença.

No combate ao Aedes aegypti, Goiás realiza uma força-tarefa implementada desde o decreto de emergência sanitária, que passou a vigorar no Estado em dezembro do ano passado em função da epidemia de dengue, transmissão do vírus zika e da chikungunya.

A ação de Goiás é um trabalho inédito do Brasil e alia o trabalho da SES-GO com o Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás e as prefeituras municipais. A meta da força-tarefa é visitar todos os mais de 3 milhões de imóveis no Estado até o final de janeiro.

As vistorias acontecerão em três ciclos até junho, com duas atividades no município por ciclo. Todas as visitas nos municípios são realizadas por agentes de Saúde, de combate a endemias, Corpo de Bombeiros, profissionais de saúde e voluntários. Até o momento, foram visitados 110 municípios.

Nas ações são realizados trabalho de limpeza, remoção de focos do Aedes e de educação em Saúde. Foram visitados 186 mil e 800 imóveis. Destes, 47 mil e 120 estavam fechados, com 494 recusas de pessoas que não receberam as equipes em suas residências.

Por Marcelo Carlos (com as informações da SES-GO)