A Campanha de Vacinação contra a Influenza é prorrogada em todo o Estado até 9 de junho. A decisão foi tomada pelo secretário da Saúde de Goiás, Leonardo Vilela, devido à baixa procura da população pela vacina. Levantamentos feitos pela Gerência de Imunização e Rede de Frio da Secretaria da Saúde apontam que até a manhã desta sexta-feira, dia 26, apenas 72,82% do total de pessoas que integram os grupos prioritários receberam a dose que protege contra a gripe. A meta é vacinar pelo menos 1.416.008 pessoas, o equivalente a 90% desse contingente populacional.

A baixa adesão da população à Campanha de Vacinação contra a Influenza está ocorrendo na maior parte do País. A SES-GO segue recomendação do Ministério da Saúde, que estabeleceu o novo período de vacinação de 29 de maio a 9 de junho. Apesar da baixa cobertura, Goiás está em quinto lugar no ranking dos estados com maior porcentual de pessoas imunizadas. Dos 246 municípios do Estado, 47 alcançaram cobertura vacinal superior a 90%. Entretanto, 22 municípios estão com índices inferiores a 50%.

Os registros da Gerência de Imunização e Rede de Frio da SES-GO demonstram que indígenas e idosos são os grupos que mais se imunizaram em Goiás, com índices de vacinação de 90,63% e 82,7%, respectivamente. Somente 58,36% das crianças de 6 meses a 2 anos receberam a dose contra a influenza, cobertura considerada baixa pelas autoridades sanitárias.

A gerente de Imunização e Rede de Frio da SES-GO, Clécia Vecci, informa que a vacina disponibilizada na rede pública protege a população contra os vírus A/H1N1, A/H3N2 e B, que estão em circulação no ambiente. A vacinação da população prioritária, conforme diz, é extremamente importante para reduzir o número de internações hospitalares, de complicações e de mortes decorrentes das infecções pelo vírus da influenza.

Dados da Coordenação de Vigilância Epidemiológica revelam que neste ano foram registrados 48 casos de influenza. Destes, 41 foram causados pelo vírus A/H3, 6 pelo vírus B e 1 pelo vírus A/H1N1. Os registros também demonstram que 13 pessoas morreram em Goiás neste ano em consequência da influenza. Deste total, 9 mortes foram causadas pelo vírus A/H3 e 4 pelo vírus B. No ano passado, quando houve a epidemia de influenza, foram notificadas 74 mortes neste período do ano, com predomínio do vírus H1N1.

Os registros da Coordenação de Vigilância Epidemiológica da SES-GO também evidenciam que 70% das pessoas que morrem em consequência da influenza integram os grupos prioritários. A vacinação é realizada em cada município sob a coordenação da Secretaria Municipal da Saúde. O gestor municipal vai avaliar a necessidade de funcionamento dos postos de saúde aos sábado e da instalação de postos volantes.

Via Goiás Agora