Servidores efetivos da Educação cobram valorização em Luziânia

Secretaria Municipal de Educação afirmou que está estudando a melhor forma de atender os trabalhadores

Os servidores efetivos lotados na rede pública municipal de ensino desejam ter uma antiga solicitação atendida em Luziânia, no Entorno do Distrito Federal. Por isso, eles cobram um reajuste salarial e uma resposta imediata do Governo Municipal.

Nesta semana, a secretária municipal de Educação, Cléu Pince, falou sobre a questão e informou que já foi iniciado um estudo para estruturar o plano de carreira dos servidores administrativos. “Estamos cientes e não concordamos com a situação em que se encontra o vencimento dos professores, contudo, não podemos agir de forma irresponsável e dar um reajuste entre os diferentes níveis de formação sem planejamento”, disse em nota publicada no portal da prefeitura.

Segundo a secretária Cléu, em parceria com gestores de municípios vizinhos, o órgão luzianiense avalia o que será mais vantajoso para o professor, inclusive, com valores da realidade atual e o impacto que causará. Para ela, a intenção é não comprometer e nem prejudicar os pagamentos que são feitos mensalmente. “Após esse estudo dos planos circunvizinhos, uma equipe especializada em finanças, selecionada de forma legal e imparcial, por processo licitatório, irá apresentar um diagnóstico da realidade”, ressaltou.

Prince também afirmou que serão realizados alguns encontros com os servidores, para que possam ouvir e opinar. “O diálogo da Secretaria de Educação será com todos os servidores da educação, sem monólogo, nem imposição, além disso, por ser esse ano um período eleitoral, pessoas querem de toda forma fazer movimento apoiando um lado e tentando enfraquecer o outro. Ressalto que não voltei para a pasta da educação para passar por situações do tipo, mas quero apenas ajudar, assim como já consegui com o concurso de 2013, com embargo judicial há quase 7 anos”, disse.

Da Redação do Alô Valparaíso

Secretária Municipal de Educação de Luziânia, Cléu Pince. (Foto: Reprodução)

Compartilhe esta matéria!