“No último sábado meu sonho foi realizado”, foram com essas palavras que, o advogado Dr. José Zito do Nascimento, anunciou a implantação do primeiro polo do Projeto Mandala, em Valparaíso de Goiás.

No entanto, antes de dar certo, José Zito do Nascimento teve que ouvir críticas e alguns nãos da Gestão Municipal, que não concordou em ceder áreas públicas para a implantação do programa de segurança alimentar, que agora, saiu do papel e virou realidade no Parque São Bernardo, bairro localizado em Valparaíso.

Inicialmente, cinco famílias serão beneficiadas através da produção e venda de hortaliças, ovos de codornas e com uma atividade de sustentabilidade; falo do projeto Recicle Vidas. Ação que transforma o óleo usado nas frituras de cozinha em sabão sustentável, sólido e liquido que também serão vendidos. Com a venda dos produtos os associados serão beneficiados, mais polos na cidade deverão ser criados e outras famílias de baixa renda poderão com a força de o próprio trabalho viver com mais dignidade.

Em conversa com Dr. José Zito do Nascimento, idealizador do Instituto Amigos Solidários e de várias ações sociais na cidade, o Alô Valparaíso perguntou qual era sensação de ver um sonho que começou com o leilão de um pé de alface ser realizado. E, obtivemos a seguinte resposta: “Sinto que a meta e os objetivos foram atingidos, pois quando fiz o leilão  simbólico eu já  sabia exatamente o caminho que seria percorrido até chegar à instalação para atender as famílias”, respondeu o advogado.

Antes da implantação do primeiro polo, a iniciativa funcionava de forma experimental e o mais curioso é que tudo começou dentro de um espaço nos fundos de um escritório de advocacia, o local de trabalho do Dr. José Zito do Nascimento.

“Cada passo foi planejado e experimentado para chegarmos à implantação. Cada centavo da venda dos produtos cultivados nas hortas experimentais fazia parte de uma meta intermediária sendo cumprida. A maior lição é demonstrar que o planejamento é necessário para realizar um projeto”, disse José Zito do Nascimento.

O Projeto Mandala – Círculo da Vida e da Dignidade opera aos moldes do Fundo Rotativo Solidário. O sistema funciona como uma poupança comunitária gerida coletivamente para fortalecer a agricultura familiar. Essa poupança é formada por meio de doação voluntária de recursos por cada membro participante do fundo ou ainda pode ser constituída a partir de ações e recursos externos destinados à comunidade.

A ação planejada pelo advogado serve como uma grande lição aos gestores públicos, que pecam em planejamento e gastam milhões sem obter nenhum resultado. O advogado José Zito do Nascimento prova que com pouco pode ser feito algo inimaginável.

O Projeto Mandala é um programa simples e barato que pode ser tomado como exemplo em Valparaíso de Goiás, e prova disso é o sucesso e a rápida implantação do mesmo. José Zito do Nascimento diz que mais lições podem ser tiradas e faz críticas aos programas que não saem do papel e que são financiados com dinheiro público.

“Uma lição emblemática é de que nenhum projeto de baixo custo é feito ou funciona nos municípios Brasil afora. Isto por conta dos favorecimentos, pois existem muitas pessoas querendo tirar vantagem. Além dos recursos públicos, as pessoas que deveriam coordenar se apossam e aproveitam-se dos fornecedores, dos beneficiários e da produção. E aqueles que deveriam ser beneficiados viram escravos dos gestores públicos, que apropriam-se de fundo beneficiário próprio”, declarou José Zito do Nascimento ao Alô Valparaíso.

Por Marcelo Carlos