Secretaria da Saúde alerta: gestantes devem se vacinar contra gripe

Balanço mostra que procura pela vacina está baixa. Além das grávidas, as puérperas e crianças também precisam se imunizar

O primeiro grupo prioritário para vacinação contra a gripe, que começou no último dia 10 de abril, destinado às gestantes, puérperas (mulheres no pós-parto) e crianças de seis meses até cinco anos de idade, chega ao quinto dia com baixa cobertura vacinal. Segundo dados da Gerência de Imunizações e Rede de Frio da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO), foram lançados pelos municípios goianos a imunização de apenas 10,05% gestantes em Goiás (7.208 mulheres). No mesmo boletim, a imunização para puérperas alcançou 9,87% (1.162 mulheres) e 6,42% para crianças entre seis meses e cinco anos de vida, totalizando 32.393 meninos e meninas.

Na gravidez, as variações hormonais podem dificultar a resposta imunológica a vírus e bactérias, podendo intensificar os sintomas causados pelo vírus da gripe (febre, coriza, dor, indisposição) e levar a outras complicações, como pneumonia e demais infecções respiratórias. Nesse sentindo, a vacinação contra Influenza, oferecida em cerca de 900 postos de vacinação do Estado é fundamental para minimizar os efeitos causados pelos vírus A/H1N1, A/H3N2 e B nas gestantes e puérperas.

Conhecida como imunização passiva, as gestantes vacinadas repassam os anticorpos que produzem para os fetos, que também ficam imunizados contra os três vírus da gripe. Após o parto, as crianças só podem ser vacinadas a partir do sexto mês de vida. As mulheres podem ser vacinadas do primeiro dia de gravidez até o último dia antes do parto e essa imunização colabora inclusive para diminuir os riscos do parto prematuro, visto que uma das principais causas de prematuridade são infecções em geral.

A coordenadora de Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias da SES-GO, Gláucia Gama, ressalta a necessidade de imunizar essa parcela dos grupos prioritários. “Essas mulheres estão mais frágeis imunologicamente e são mais suscetíveis às complicações infecciosas. Imunizando a mãe, alcançamos os fetos, que após o parto, só serão vacinados após os seis meses de vida”, explica.

Influenza

Infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório, a influenza é altamente transmissível e sujeita a se transformar em epidemias sazonais. Sua transmissão pode ocorrer por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir, espirrar ou pelas mãos, que após o contato com superfícies recém-contaminadas, podem levar o agente infeccioso diretamente para boca, olhos e nariz.

A Campanha de Vacinação contra a Influenza objetiva prevenir a ocorrência da gripe pelo vírus A/H1N1, A/H3N2 e B nas pessoas que integram os grupos prioritários e, dessa forma, reduzir as internações, complicações e mortes decorrentes das infecções. O Ministério da Saúde distribuiu para Goiás 1.976.900 doses da vacina, que protege contra três tipos de vírus.

Cronograma

Período para a imunização de cada grupo definido pelo Ministério da Saúde.

Grupo 1: dia 10 a 18 de abril – gestantes, puérperas e crianças de 6 meses até 5 anos de idade.

Grupo 2: dia 22 a 26 de abril – trabalhadores da saúde.

Grupo 3: dia 29 de abril a 3 de maio – pessoas com 60 anos ou mais.

Grupo 4: Dia D, 4 de maio – todos os grupos prioritários.

Grupo 5: dia 6 a 10 de Maio – portadores de doenças crônicas, Síndrome de Down e outras trissomias (síndromes).

Grupo 6: dia 13 a 17 de maio – professores.

Grupo 7: dia 20 a 31 de Maio – todos os grupos prioritários, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional.

Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe. (Foto: Anna Lúcia Almeida)

Compartilhe esta matéria!