Sessenta e três novos casos de caxumba foram registrados em moradores do Distrito Federal, na última semana, segundo informações da Secretaria de Saúde. De acordo com dados do Boletim Epidemiológico nº 4 — que vai do início de janeiro a 9 de julho —, divulgado na última quinta-feira (14), o total de casos soma 960, com 928 ocorrências em residentes locais e 32 de outras unidades federativas, que deram entrada na rede pública brasiliense.

A maioria das ocorrências é em homens, com 571 casos em 2016. Os adultos, pessoas de 20 a 49 anos, também são os que mais contraíram a doença — 418 casos. Já os jovens, de 15 a 19 anos, representam 256 das ocorrências. Entre as regiões administrativas mais atingidas destacam-se Ceilândia (177), Taguatinga (123) e São Sebastião (100).

Até 9 de julho, foram notificados 28 surtos isolados de caxumba no DF, distribuídos em oito regiões administrativas: Asa Sul, Ceilândia, Lago Sul, Núcleo Bandeirante, Samambaia, São Sebastião, Sobradinho e Taguatinga. Dezoito ocorreram em escolas, quatro em residências, dois em complexos penitenciários e quatro em outros locais.

O que fazer para prevenir a transmissão da caxumba?

Quanto há surto, a secretaria alerta para a necessidade de isolamento social dos pacientes de, no mínimo, dez a 15 dias — contados a partir dos primeiros sinais e dos sintomas da doença. Como a contaminação ocorre por meio de gotículas de salivas, evite ambientes aglomerados e fechados e não compartilhe copos e talheres. Também é importante ingerir líquidos.

Não existe um tratamento específico para a doença. O combate é feito pela vacinação ainda na infância. Na rede pública de saúde, a vacina tríplice viral (que protege contra caxumba, sarampo e rubéola) pode ser aplicada no primeiro ano de vida; a vacina tetra viral (caxumba, sarampo, rubéola e varicela) é dada a partir dos 15 meses de idade.

Para crianças e adolescentes até 19 anos, são duas doses do medicamento e, para pessoas de 20 a 49 anos, é apenas uma dose da vacina tríplice viral. A prevenção pode ser feita durante todo o ano nos centros de saúde.

Saiba quais são os sintomas da caxumba

Febre, calafrios, dores de cabeça, musculares — ao mastigar ou engolir — e fraqueza são os sintomas mais comuns da caxumba. A doença também é caracterizada pelo aumento de glândulas salivares, que fazem o rosto inchar.

A incubação do vírus (período de contaminação até aparecer os primeiros sintomas) pode variar de 12 a 25 dias. Em média, aparece por volta dos 16 a 18 dias.

Da Agência Brasília