O câncer de pele é o mais frequente no Brasil e corresponde a 25% de todos os tumores malignos registrados no País. Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), 181.430 novos casos podem surgir em 2016, sendo 5.670 deles o tipo melanoma cutâneo, que é o mais grave devido à sua alta possibilidade de disseminação para outros órgãos, podendo levar à morte. 

O câncer de pele é mais comum em pessoas com mais de 40 anos, sendo relativamente raro em crianças e negros, com exceção daqueles já portadores de doenças cutâneas anteriores. Pessoas de pele clara, sensível à ação dos raios solares ou com doenças cutâneas prévias são as principais vítimas.
 
O diagnóstico precoce aumenta as chances de cura e diminui a possibilidade de uma cirurgia. Por isso é necessário ficar atento a alguns sinais que indicam a doença. Com o auxílio e orientações do dermatologista Luiz Fernando Fleury, o jornal A Redação listou cinco sintomas clássicos.

1 – Alteração de cor de uma pinta que já exista

 
“A pinta normal tem uma cor uniforme, já aquela que predispõe ou já é o melanoma pode apresentar variação de cores, entre preto, esverdeado ou vários tons de marrom”.
 
2 – Lesão que não cicatriza
 
“Essas lesões sangram com facilidade. A simples ação de você limpar o rosto com a toalha e encostar na ferida pode causar o sangramento”.
 
3 – Crescimento de uma lesão ou pinta
 
“Além da não cicatrização de uma lesão, esta pode crescer. A pinta também pode aumentar de tamanho”.
 
4 – Assimetria
 
“Se dividida ao meio, os lados da pinta são diferentes. A borda da pinta também é irregular. Não é perfeitamente redonda”.
 
5 – Mudança de sensação
 
“Pode ser que algumas pintas ou lesões apresentem coceira e dor”.
 
Segundo o médico, ao identificar os sinais, é recomendável que o paciente procure um dermatologista, que vai constatar se aquelas pintas ou lesões são cancerígenas. Na maioria dos casos, as chances de cura são grandes, principalmente se a doença for identificada precocemente. “O tratamento é a remoção das pintas que apresentarem o melanoma por meio de cirurgia”, complementou o especialista.
 
A melhor forma de prevenir, segundo ele, é usar todos os dias o protetor solar e evitar a exposição ao sol em excesso, principalmente entre as 10h e 16h. 

Por Kamylla Rodrigues (A Redação)