Compartilhe esta matéria!

Projeto da UnB lança aplicativo para monitorar restauração do Cerrado

Ferramenta facilita coleta de dados de reflorestamento feito por agricultores em processo de regularização ambiental. Acesso é gratuito.

Agricultor Bruno Maciel mostra aplicativo Radis Cerrado. — Foto: Raimundo Sampaio/Divulgação
Agricultor Bruno Maciel mostra aplicativo Radis Cerrado. — Foto: Raimundo Sampaio/Divulgação

Agricultores que precisam monitorar o reflorestamento das áreas onde produzem passam a ter uma ferramenta que facilita o processo. O aplicativo Radis Cerrado, criado pelo Centro de Gestão e Inovação da Agricultura Familiar (Cegafi) da Universidade de Brasília (UnB), é gratuito e foi lançado oficialmente neste mês de setembro, em homenagem ao Dia do Cerrado, comemorado no último sábado (11).

Em testes desde janeiro, e com download para Android, o app auxilia produtores que estão em processo de regularização ambiental e precisam, anualmente, compartilhar com os órgãos de fiscalização informações sobre a preservação do local.

Uma das pesquisadoras responsáveis pelo projeto, Íris Roitman, explica que o objetivo é facilitar o monitoramento, que sem a tecnologia fica “mais burocrático”. Por se tratar de uso no campo, as funções também funcionam offline e ficam armazenadas para quando for necessário compartilhar com os técnicos.

“Existe um manual para esses processos. Nós pegamos esse manual e transformamos ele em um aplicativo que dá as coordenadas do local, auxilia nos cálculos e permite o envio de fotos da região”, conta a pesquisadora.

Íris Roitman destaca que o projeto “torna a reparação ambiental mais transparente”, e pode, segundo ela, contribuir com pesquisas, já que cria um banco de dados.

“Existe uma demanda grande de assistência técnica na reforma agrária e é importante ter uma facilitação tecnológica. Acreditamos que assim mais pessoas vão aderir à regularização”, diz ela.

Reflorestando em Planaltina

Plantação de agricultores no Distrito Federal é monitorada por aplicativo da UnB.  — Foto: Raimundo Sampaio/Divulgação
Plantação de agricultores no Distrito Federal é monitorada por aplicativo da UnB. — Foto: Raimundo Sampaio/Divulgação

O agricultor Bruno Leandro já usa o aplicativo. Ele produz no assentamento Roseli Nunes, área rural de Planaltina, no Distrito Federal.

“Aqui a gente produz orgânicos: folhagem, mandioca, milho, feijão, entre outros”, contou ao G1. Bruno faz parte de um grupo de 27 pessoas que participaram dos primeiros testes com o app.

“A gente consegue armazenar informações como o CAR [Cadastro Ambiental Rural], o tamanho da área de produção, o que é produzido, qual o tipo de manejo e como estabelece a questão do planejamento ambiental”, diz o produtor.

Para ele, a ferramenta estimula o cumprimento da legislação ambiental e isso ajuda o processo de regularização fundiária. “Faz a gente entender o espaço e conversar com o governo, com as instituições, demonstrando que estamos fazendo a atividade de meio ambiente”, afirma.

Preservação do Cerrado

Mato Grosso é responsável por 14% do desmatamento do Cerrado — Foto: Marcos Vergueiro/Secom-MT
Mato Grosso é responsável por 14% do desmatamento do Cerrado — Foto: Marcos Vergueiro/Secom-MT

Um dos principais objetivos do projeto é estimular a preservação do Cerrado. Em agosto passado, o bioma teve a maior área sob alerta de desmatamento desde 2018. De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), foram 433 km².

Especialistas alertam que um dos principais fatores da perda da vegetação é o aumento da fronteira agrícola na região, o que mostra a importância de iniciativas que auxiliam no monitoramento do reflorestamento.

De 1970 até 2018, a devastação do Cerrado foi de 50% – mais que o dobro da Amazônia, que perdeu 20%, segundo um levantamento feito pela ONG WWF.

Alô Valparaíso/G1