Os servidores públicos municipais de Valparaíso de Goiás, município goiano localizado no Entorno do DF, estão indignados com a Prefeitura chefiada por Lucimar Nascimento (PT) e já sinalizam para uma possível greve no serviço público.

Mais uma vez o tema data-base entrou em pauta e tudo indica que a atual crise financeira que atinge os cofres do município impedirá o reajuste salarial dos servidores. O fato já foi alardeado por Olízia Alves, presidente do Sindsepem-Val e fiel escudeira do governo Lucimar, do PT, mesmo partido da líder sindical.

olizia

Foto internet: Presidente do Sindsepem-Val é acusada de ser braço auxiliar do Governo Lucimar.

A omissão do sindicato tem revoltado os trabalhadores da cidade e os indícios de data-base zero em 2016 tiram o sono de muita gente que sonhava com um aumento no salário neste ano. O índice de INPC dos últimos 12 meses prevê o acréscimo de 11,28% nos vencimentos.

“A Constituição Federal de 1988 reza que ao sindicato cabe à defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria. Mas, ao contrário do que a Lei Suprema determina, em Valparaíso, o sindicato funciona apenas como moleque de recado do governo”, afirmou a servidora Ana Paula Vieira.

Ainda de acordo com Ana Paula, em Assembleia realizada na última terça-feira (29), a presidente sindical Olízia Alves, teria anunciado que a prefeita Lucimar Nascimento não irá pagar a data-base garantida por Lei em 2016.  Segundo a representante do Sindsepem-Val, a administração municipal enfrenta grande crise financeira e o fato poderá impossibilitar o reajuste aos servidores municipais.

“Aí eu pergunto: e eu com isso? Eu também tenho as minhas contas para pagar. Não estamos pedindo favor, a data-base é Lei, mais precisamente a Nº 819/2009, temos direito ao reajuste de 11%”, questionou a servidora Ana Paula Vieira.

Adryanno do Valle Silva Moraes, servidor público municipal, também procurou a nossa redação para reivindicar o reajuste previsto pela Lei Nº 819, de outubro de 2009, assinada pela ex-prefeita Lêda Borges de Moura. O trabalhador demonstra uma completa revolta contra a líder do Sindsepem-Val.

“A direção sindical atua bravamente por interesses eleitoreiros fazendo da luta trabalhista barganha partidária em oposição a outras legendas, temos um grande exemplo disso em Formosa e Cidade Ocidental, cidades onde a presidente do sindicato local esteve politicando e cobrando o cumprimento dos direitos dos trabalhadores”, questionou Adryanno.

Adryanno do Valle cobra mais clareza nas informações e deseja explicações plausíveis do governo municipal “Quero saber como ficamos em relação ao impacto financeiro. Saiu realmente dos parâmetros de consonância com a Lei de Responsabilidade Fiscal? Cadê a transparência? Cadê o respeito? Nenhuma justificativa foi apresentada na última Assembleia”, concluiu o servidor.

No passado a atitude do sindicato na luta trabalhista era outra. Veja abaixo:

sindicato pelego

Por Marcelo Carlos