Nesta terça-feira (19), a prefeita Lucimar Nascimento, do PT, antecipou sua ida à Câmara Municipal de Valparaíso de Goiás, para discutir o reajuste salarial de 11,28% (INPC) reivindicado pelos servidores municipais.

A petista não quis arriscar um maior desgaste, tendo em vista que na próxima quarta-feira seria votado requerimento de autoria do vereador Pábio Mossoró (PSDB), que objetivava a convocação dela para prestar esclarecimentos em plenário. A solicitação tratava sobre o não cumprimento da Lei nº 819 de 28 de outubro de 2009, que discorre sobre a data base.

Na reunião de portas fechadas, sem a pressão dos trabalhadores e com a presença dos vereadores de base e da oposição, Lucimar falou o óbvio, tudo aquilo que todos já esperavam. Mais uma vez a prefeita justificou que a crise econômica que atinge o município, impossibilitará o reajuste salarial pretendido pelos servidores. É o que garante alguns parlamentares.

Segundo um dos presentes, outro ponto lembrado no encontro realizado na CMVG, foi à ação civil pública de Nº 201502512976 em desfavor do município de Valparaíso de Goiás. A chefe do Executivo local teria ressaltado que a ordem judicial que determina a nomeação imediata dos candidatos aprovados e classificados no concurso em vigência, é mais um empecilho que surgiu no caminho e que com certeza impossibilitará o cumprimento da Lei nº 819.

Conforme informação passada para a nossa redação, Lucimar Nascimento também já teria sinalizado para um provável corte de ponto dos servidores que insistirem na operação tartaruga, uma ação do proletariado que visa à redução gradativa do trabalho no serviço público municipal até que seja dado o reajuste salarial.

Da Redação