No último domingo (25), o Alô Valparaíso levou a tona uma questão que envolve dependentes químicos que usam uma área na Etapa B para consumir bebidas alcoólicas e as mais variadas drogas. Segundo residentes da região, o uso de crack no local é o mais frequente. Moradores e comerciantes sentem-se intimidados com o fato.

O assunto repercutiu bastante e despertou o interesse da sociedade valparaisense, chegando até a PM-GO e as lideranças municipais, que assinalam com posicionamentos bastante variados. A grande maioria fala no resgate dos dependentes químicos e na necessidade de ações sociais de combate ao uso de drogas na região.

O Alô Valparaíso procurou o Tenente Coronel Danilo Braga para saber se a Polícia Militar do Estado de Goiás estava ciente sobre a situação que ocorre num pequeno bosque do Setor B. E a resposta foi direta.

“Sim. O local é frequentado por alcoólatras e usuários. É um problema mais relacionado à assistência social e órgãos similares”, disse o Tenente Coronel Danilo Braga.

De fato é um problema social. No entanto, o caso precisa ser tratado em conjunto por Polícia Militar e Civil, Ministério Público, Secretaria de Promoção Social, Secretaria de Saúde, Secretária de Cidadania e Governo do Estado de Goiás.

A iniciativa deve partir de todos os representes públicos, não para punir os dependentes químicos, mas sim para buscar soluções para o problema e que também ajudem a recuperar centenas de pessoas mergulhadas no vício em Valparaíso de Goiás.

“Vou procurar uma ação conjunta com a PM-GO”, afirmou Mácio Melo, Diretor da Divisão de Segurança de Próprios, em comentário escrito no Facebook.

macio

“A Superintendência de Serviços de Fiscalização Municipal junto com a Polícia Militar está monitorando toda a área para ser feito operação de retirada. Esta semana tiramos todos”, declarou Paulo Brito, superintendente de Serviços de Fiscalização em Valparaíso, no Facebook.  

Paulo Brito

Esperamos que o tema abordado não fique no esquecimento e que seja levado a sério pelos órgãos públicos competentes. A questão merece ser destacada e tratada como prioridade social, principalmente na recuperação da saúde de várias pessoas envolvidas com o consumo de drogas.