Nos últimos dias, muitos moradores da 3ª Etapa do Céu Azul convivem com o medo da perda de seus lares. Trabalhadores que lutaram por diversos anos pagando cada palmo  de chão, correm sérios riscos de ficarem sem seus terrenos comprados no passado.

Estipula-se que 500 proprietários de lotes no bairro tenham recebido uma carta de notificação requerendo a restituição do imóvel ou pagamento mediante de acordo a ser firmado no Cejusc/Val, sob pena ajuizamento da compra e reintegração de posse e despejo. Cerca de 2.000 famílias vivem um pesadelo e seguem revoltadas. O requerente da ação na Justiça é a Agropecuária Fazenda Urubu.

Segundo informações colhidas com um grande advogado da região, a Fazenda Urubu, sentindo-se prejudicada, requereu seus direitos de proprietário e conseguiu provar que os lotes foram vendidos por falsários. De imediato todas as escrituras feitas com documentos falsos foram canceladas. Sabe-se que os moradores da 3ª Etapa do Céu Azul são meras vítimas de ações canalhas de pessoas com a índole duvidosa.

drama

Moradores da 3ª Etapa do Céu Azul recebem notificação de reintegração de posse da Fazenda Urubu.

No entanto, esse problema é comum em Valparaíso de Goiás. Haja vista que bairros como a Morada Nobre e Ipanema passam pelo mesmo problema. Ao longo da sua construção, o nosso município, foi dominado por grileiros de terras. Crápulas que se aproveitaram de pessoas leigas no assunto para vender lotes com documentações falsas.

Infelizmente, da noite para o dia, os moradores da 3ª Etapa do Céu Azul, ganharam um presente de grego vindo dos herdeiros da Fazenda Urubu. Que cobram judicialmente o pagamento dos terrenos pela metade do preço para regularizar a situação. O requerente exige que sejam pagos valores atuais pelo metro quadrado.  Algo que soa como injusto aos ouvidos dos munícipes prejudicados.  

O povo sofrido, trabalhador, lutador, esquecido e prejudicado por inúmeras mazelas políticas que marcam a história de Valparaíso e região, ao que tudo indica, mais uma vez será prejudicado. Várias famílias seguem sem a defesa dos seus representantes políticos, os mesmos que fizeram vista grossa enquanto propriedades eram controladas e vendidas por grileiros em outrora.  Dinheiro, poder e justiça são para poucos. E a verdade é que em nossa cidade quem tem mais continua mandando e desmandando.

Por Marcelo Carlos