Um morador de rua, de 19 anos, foi preso nesta quarta-feira (30) suspeito de espancar um colega, de 32, até a morte, em Luziânia, no Entorno do DF. Segundo a Polícia Civil, os dois tiveram uma discussão antes do crime. Além de socos e pontapés, a vítima ainda levou pauladas, pedradas e facadas.

De acordo com o delegado Maurício Pessarini, responsável pelo caso, ainda não está claro o que motivou a briga. Ele suspeita que o entrevero tenha relação com o uso de drogas e bebidas alcoólicas.

O espancamento começou pela madrugada. “Por volta das 2h30 da manhã, houve uma primeira briga, na qual a vítima apanhou bastante. Depois, por volta das 6h, o suspeito voltou ao local e bateu ainda mais no colega”, disse ao G1.

Após o crime, o suspeito e outros colegas permaneceram no local. A polícia foi acionada e, com base em testemunhos, levou vários deles para a delegacia. O jovem foi delatado e depois confessou o crime.

A frieza do agressor chamou atenção até mesmo do delegado. “Questionei a ele porque permaneceu no local após o crime. Ele disse que ‘queria ver se o desafeto havia morrido realmente’. Além disso, os chutes foram fortes, que o suspeito chegou a romper o tendão do tornozelo. Foi bem cruel e violento”, destaca.

O rapaz vai responder por homicídio qualificado e pode pegar uma pena de 12 a 30 anos caso seja condenado.

Da Redação (com as informações do G1 Goiás)