O menino Luís Guilherme, 6 anos, morador de Valparaíso (GO) e baleado por um policial civil do Distrito Federal em 6 de janeiro deste ano na BR-070 terá que passar por uma nova cirurgia. Segundo a mãe da criança, Paula Caxias, o projétil alojado no tórax da vítima está em um local perigoso para saúde da criança e terá que ser retirado. O procedimento está marcado para esta segunda-feira (6/2) no período da tarde no Hospital Santa Helena. 

“Deus, com certeza, não quer essa marca dentro dele. O Luís Guilherme terá as marcas das mãos de Deus, de um milagre, mas não a marca de um malfeitor dentro dele. Creio que Deus já operou um milagre, já salvou a vida dele. Mas Deus opera seus milagres de uma forma completa, e não pela metade. Faltava retirar a bala, e agora chegou a hora. Pedimos orações”, declarou Paula Caxia. 

Luís Guilherme ficou 25 dias internado e teve alta do Hospital Santa Helena, na Asa Norte, em 30 de janeiro. Porém, cerca de 24 horas depois, começou a se queixar de dores e cansaço. Por isso, teve que voltar à unidade. Ele passou por uma bateria de testes e exames para avaliar a necessidade de uma nova cirurgia para retirar a bala alojada no pulmão da criança.  

Essa será a segunda vez que o garoto será submetido à cirurgia para retirada da bala. Há um mês, Luís Guilherme passou por um procedimento de mais de oito horas, entretanto, a equipe médica não conseguiu retirar o projétil na ocasião. 

O crime

Luís Guilherme estava hospitalizado desde 6 de janeiro, quando levou um tiro do policial civil Sílvio Moreira Rosa. Ele disparou três vezes contra o carro em que o menino estava com os pais, na altura do Km 35 da BR-070, no município de Cocalzinho (GO), por não gostar de ter sido ultrapassado na rodovia. A bala entrou nas costas do menino, do lado esquerdo, quebrou duas costelas, machucou o pulmão esquerdo, entrou no coração e ficou alojada no pulmão direito.

Após atirar contra a família, o agente fugiu em direção a Águas Lindas (GO), mas acabou preso em seguida. Ele alegou que atirou porque acreditava se tratar de um assalto. Ele está na Divisão Estadual de Investigações de Homicídios, em Goiânia, e responderá por tripla tentativa de homicídio.

Via Correio Braziliense