Compartilhe esta matéria!

Membros de torcida organizada são presos ao atropelar adolescentes e obrigar menina a tirar roupa na rua

O governo quer aumentar em 4 milhões o total de famílias beneficiadas pelo programa. Valor médio deve ser elevado de R$ 190 para R$ 250

Policiais civis da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente de Goiânia (DPCA) prenderam nove pessoas e cumpriram 12 mandados de busca e apreensão durante a Operação Hooligans, nesta quinta-feira (21). Entre eles, estão os suspeitos de participar do atropelamento de dois adolescentes, de 15 e 17 anos na calçada de casa, em Goiânia.

O caso aconteceu em 11 de abril deste ano, no Jardim Novo Mundo, e a operação foi desencadeada após a análise do vídeo do atropelamento. Segundo a polícia, o crime foi motivado por briga entre torcidas organizadas do Goiás e do Vila Nova. Os suspeitos fugiram do local sem prestar socorro, conforme a investigação.

A assessoria de imprensa do Goiás Esporte Clube disse que o time não se pronuncia sobre brigas de torcidas organizadas. O G1 tentou contato com a assessoria do Vila Nova, mas as ligações não foram atendidas. Naquele jogo, o Vila Nova ganhou do Goiás por 2 a 1.

A família da adolescente que foi atropelada contou, à época, que a menina não torce para nenhum time e o amigo dela que também foi atingido, e é torcedor, não participa de torcida organizada. Ela teve ferimentos graves na cabeça e ficou internada por cinco dias na época do atropelamento.

Polícia prende suspeito de participar de torcidas organizadas em Goiás — Foto: Reprodução/Polícia Civil
Polícia prende suspeito de participar de torcidas organizadas em Goiás — Foto: Reprodução/Polícia Civil

Os suspeitos foram presos pelos crimes de tentativa de homicídio, roubo majorado e participação em organização criminosa. A Polícia Civil informou que após o jogo entre Goiás e Vila Nova, em 11 de abril, membros de uma das torcidas organizadas saíram às ruas da capital para cometer crimes contra torcedores rivais.

As investigações também apontaram que, minutos antes do atropelamento dos adolescentes, o mesmo grupo atacou outra menina de 15 anos, e, com uma arma de fogo, fizeram ela tirar a roupa em meio aos torcedores rivais.

Adolescente de 15 anos foi atropelada em Goiânia por torcida organizada de futebol — Foto: Reprodução/TV Anhanguera
Adolescente de 15 anos foi atropelada em Goiânia por torcida organizada de futebol — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

No cumprimento dos mandados de busca e apreensão nas residências dos investigados, a polícia encontrou diversos objetos ligados ao crime organizado, dentre eles camisas, bandeiras e demais objetos rasgados de torcedores rival, bem como drogas, munições de arma de fogo, bastões e ferros utilizados nos ataques. Os veículos utilizados no crime também foram apreendidos pela Polícia Civil.

A operação contou com 75 policiais civis e foi deflagrada em Goiânia, Aparecida de Goiânia e no Distrito Federal.

Policial apreende dinheiro em casa de suspeito de participar de torcida organizada em Goiás — Foto: Reprodução/Polícia Civil
Policial apreende dinheiro em casa de suspeito de participar de torcida organizada em Goiás — Foto: Reprodução/Polícia Civil

Atropelamento

A tia disse que a sobrinha brincava com colegas na calçada quando um carro branco parou e um homem pediu que o rapaz tirasse a camisa do time.

O amigo da adolescente teria ficado assustado e sem reação no momento. Pouco tempo depois de serem abordados, um outro carro subiu na calçada e atropelou os dois, de acordo com o boletim de ocorrência.

“Ela estava brincando com colegas na calçada, entre eles um com a camisa do Goiás, inclusive tinha crianças no local. Chegou um carro para tomar a camisa do rapaz e logo veio outro e atropelou a minha sobrinha. Ela não torce para time nenhum”, disse a tia.

Bandeiras e soco inglês apreendidos em casa de suspeito de participar de torcida organizada em Goiânia — Foto: Reprodução/Polícia Civil
Bandeiras e soco inglês apreendidos em casa de suspeito de participar de torcida organizada em Goiânia — Foto: Reprodução/Polícia Civil

Alô Valparaíso/*Com as informações do Metrópoles