No feriado do Dia do Evangélico, 30 de novembro, relembramos aos cidadãos valparaisenses como a data começou a ser comemorada em Valparaíso de Goiás.

A história nos conta que no dia 29 de novembro de 2001, após o município viver uma divergência de opiniões sobre a imagem de São Francisco de Assis, localizada no bairro Etapa A, a então vereadora Lêda Borges parecia ser “usada espiritualmente” para levar a paz aos membros da Câmara Municipal que discutiam a permanência da imagem do Padroeiro de Valparaíso na rotatória central de uma das principais avenidas da cidade.

Com muita sabedoria Lêda Borges apresentou o Projeto de Lei Nº 119, que propunha a instituição do feriado municipal, no dia 30 de novembro, referente ao Dia do Evangélico.

Em sua justificativa, a autora do projeto alegou que a presente proposição atendia a necessidade e vontade de homenagear a comunidade evangélica do nosso município, concedendo-lhe um dia especial, em que os evangélicos poderiam se reunir com uma única comunidade, a fim de louvar a Deus. A então vereadora do PDT entendia que esta seria uma maneira de Valparaíso e de seus vereadores demonstrarem respeito e admiração pela comunidade evangélica.

Ainda em 2001, no dia 17 de dezembro, o projeto foi sancionado pelo então prefeito Juarez Sarmento. 

IMG-20151130-WA0038

Foto: Lêda Borges – Lei do Dia do Evangélico em Valparaíso é de autoria da então vereadora Lêda Borges.

Ao longo do tempo, Lêda Borges além de ter sido vereadora foi também prefeita em Valparaíso de Goiás. Atualmente, ela é Deputada Estadual e Secretária da Cidadania do Governo de Goiás, mantendo-se sempre ligada ao segmento religioso e muito próxima a comunidade evangélica.

A Deputada Lêda Borges é amiga de diversos pastores. Quando era Prefeita, por meio de decreto, concedeu imunidade tributária a todos os templos, de todas as denominações da cidade. Com a publicação do referido Decreto, todos os templos religiosos ficaram isentos de pagar o IPTU.

Como gestora de Valparaíso certa vez Lêda disse: “Penso diferente de quem só considera o dinheiro. As igrejas, de todos os credos, prestam um enorme serviço à comunidade, espiritual e socialmente, ajudando o poder público”.

Por Marcelo Carlos