(Imagem: Divulgação/IFG)

Compartilhe esta matéria!

IFG promove live sobre diretrizes de precaução e isolamento

Evento online abordará temas relacionados à covid-19 e outras doenças transmissíveis

O Instituto Federal de Goiás (IFG), por intermédio das ações do projeto Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS), realiza nesta sexta-feira (17), às 19h, a live: Entenda as diretrizes de precaução e isolamento para covid-19 e outras doenças transmissíveis. O evento online será transmitido no seguinte endereço eletrônico: meet.google.com/vrp-fcey-uk

Os participantes poderão solicitar certificado de 2h pela presença na live. O pedido deverá ser feito pelo chat durante a exibição ao vivo da palestra, que será ministrada pela enfermeira e consultora em controle de infecções, Adenilde Andrade. Ela acredita que a temática é de grande relevância para o público em geral: “Saber que têm doenças transmissíveis mas que é possível se proteger”, e para os profissionais da área de saúde que forem participar “analisar as possibilidades de isolamento, as melhores diretrizes e as particularidades da covid”.

Conheça o projeto
Denominação da pesquisa: “Estudo multicêntrico de avaliação epidemiológica das infecções bacterianas relacionadas à assistência à saúde, em usuários da saúde diagnosticados ou não com COVID-19, pelo monitoramento digital no âmbito das comissões de controle de infecções hospitalares”. O projeto também é conhecido como IRAS. O objetivo é a disponibilização de ferramenta de cruzamento de dados junto a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar- CCIH (setor presente dentro dos hospitais). Com este software a ser fornecido e devidamente personalizado, espera-se a redução nos casos de infecção hospitalar entre outros benefícios. Inicialmente, o IFG atuará junto a 20 unidades, dez hospitais em São Paulo e dez em Goiás.

Além do IFG, especialistas de outras instituições compõem a equipe: Universidade Federal de Goiás (UFG), do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) e da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). O projeto é financiado pelo Ministério da Saúde e é gerido pelo Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência (DAHU). A Fundação de Apoio à Pesquisa (Funape) realiza a gestão dos recursos.

Da Redação do Alô Valparaíso/*Com as informações do IFG