Compartilhe esta matéria!

Homem é suspeito de usar tabacaria para traficar ‘drogas gourmet’ é preso no DF

Polícia Civil deflagrou operação ‘Ice Frog’ nesta quarta-feira (8) e apreendeu dois quilos de skunk, além de haxixe, comprimidos de ecstasy e R$ 21,6 mil em espécie..

Drogas e dinheiro em espécie apreendidos com empresário que usava tabacaria como fachada para traficar drogas no DF — Foto: PCDF/Divulgação
Drogas e dinheiro em espécie apreendidos com empresário que usava tabacaria como fachada para traficar drogas no DF — Foto: PCDF/Divulgação

Suspeito de usar uma tabacaria, em Vicente Pires, para traficar “drogas gourmet“, foi preso em flagrante nesta quarta-feira (8). O homem foi levado para a carceragem do Departamento de Polícia Especializada (DPE) e deve responder por tráfico de drogas.

A Polícia Civil cumpriu mandados judiciais no estabelecimento e na casa do investigado, em Taguatinga Norte. Foram apreendidos dois quilos de skunk, 500 gramas de haxixe, 22 comprimidos de ecstasy, R$ 21.695 em espécie, além de veículo, balança e outros objetos supostamente vinculados ao tráfico de drogas.

De acordo com a investigação, as drogas eram negociadas pelas redes sociais e, muitas vezes, retiradas pelos usuários na própria tabacaria, que era usada como fachada para ocultar o tráfico de “skunk colombiano” e “haxixe dry” – drogas de alto valor no mercado ilícito da capital.

Operação ‘Ice Frog’

O esquema, segundo a polícia, alimentava o “tráfico de alto poder aquisitivo” nas regiões de Vicente Pires, Águas Claras e Plano Piloto.

PCDF apreende drogas com empresário que usava tabacaria como fachada para tráfico no DF

Segundo o delegado responsável pelo caso, Rogério Rezende, há três meses, a Coordenação de Repressão às Drogas (Cord) tomou conhecimento do comércio de drogas no local.

“O trabalho teve base em pesquisas e monitoramentos da equipe. O comércio era discreto e não havia reclamação dos moradores. Muitos já faziam as reservas das drogas virtualmente e iam à loja receber os entorpecentes”, explicou o delegado.

Alô Valparaíso/G1