Na última sexta-feira, dia 08 de janeiro, em Santa Maria-DF, os alunos da Escolinha de Futebol Flaval, com sede na cidade de Valparaíso-GO e presidida por Celso Pereira, disputaram dois jogos treinos em preparação para um Campeonato que será realizado no Estado de São Paulo. Na oportunidade, todas as categorias da instituição valparaisense, mostraram entrosamento e muita qualidade. Os atletas da Flaval que são comandados pelos treinadores Fernando Resende e Júnior, pai e filho, apresentaram um bom futebol e provaram estar capacitados para representar a nossa cidade em gramados paulistas.

No primeiro duelo, a Flaval enfrentou a Sociedade Esportiva Santa Maria. Os garotos promissores da escolinha deram trabalho para o time sub-20 do Distrito Federal e por pouco não trouxeram um empate para Valparaíso. O jogo acabou com derrota dos visitantes por 2×1. No entanto, o resultado agradou toda a comissão técnica da Flaval, pois muitos atletas mostraram qualidade no amistoso preparativo e podem despontar como futuras promessas para o futebol brasileiro.

Em conversa com Vandinho, técnico do Santa Maria, falamos a respeito da importância das categorias de base, da estrutura do futebol do DF e sobre os atletas revelados por ele no esporte. “Rapaz, temos uma luta muito grande pelas categorias de base em Brasília, porque não são todas as equipes que dão estrutura e condições para a gente trabalhar. Porque garotos têm demais. Graças a Deus, o presidente do Santa Maria me dá toda a condição possível, para poder fazer com que esta base do Santa Maria não morra e dê para trabalhar, e assim, angariar muitos meninos e tirar os meninos das ruas. Este é o primeiro objetivo nosso. Aqui no Santa Maria eu tenho 4 anos e já revelei muitos garotos. Inclusive, tem um que está aqui apreciando o amistoso, é o William que foi para o México. Ele é um zagueiro que começou com a gente no juvenil e deu fruto”, disse Vandinho.

Na segunda partida, o time sub-17 da Flaval enfrentou uma equipe de Cidade Ocidental, município do Entorno de Brasília. O duelo entre as duas equipes foi bem disputado e terminou empatado. Na ocasião, todos os presentes puderam observar jogadores preparados para enfrentar o desafio de jogar um campeonato com grandes equipes do futebol nacional em São Paulo.

Ao fim dos amistosos de preparação, pude entrevistar o experiente treinador Fernando Fernandes. Falamos da Flaval, de suas expectativas para o Campeonato que será realizado em São Paulo, e também, da falta de estrutura e raríssimos apoios ao futebol em Valparaíso de Goiás. Confira abaixo:

Entrevista com Fernando Resende, técnico da Escolinha de Futebol Flaval:

Alô Valparaíso: Há quanto tempo o senhor trabalha com as categorias de base?

Fernando Resende: Eu comecei a jogar bola profissionalmente, quando acabou fui para a Cidade Ocidental e montei uma escolinha que revelou o Chiquinho que está acertando agora com o Flamengo. Dali para cá a gente começou um trabalho em Valparaíso, que foi com a Flaval. Que foi um trabalho semelhante ao que eu fiz em Cidade Ocidental.

Alô Valparaíso: Falta apoio e estrutura para os garotos treinarem em Valparaíso?

Fernando Resende: Lá em Valparaíso até parece que o pessoal não gosta do esporte. Porque não tem nenhum campo gramado. O trabalho que nós fizemos com a Flaval no passado foi todo feito no campo de barro do Caic e no Parque São Bernardo.

Alô Valparaíso: Sabemos que a Flaval fará uma excursão para o Estado de São Paulo. Lá os garotos jogarão contra times reconhecidos no cenário nacional. Vocês estão indo com o apoio de alguém de Valparaíso?

Fernando Resende: Estamos indo com um pequeno apoio. Um apoio que a senhora Lucimar e o senhor Berilo, nos doou para bancar quatro meninos que não tem condições de pagar.  Na realidade quatro que eu digo é R$ 500,00 cada um. O preço certo é R$ 650,00, o restante eu irei bancar. Vai ser isso aí! Ela ajudou, a gente fica muito agradecido, ao Berilo e a Lucimar. Mas eu estou falando da senhora Lucimar, não da Prefeita.

Alô Valparaíso: Quais são as expectativas para o Campeonato em São Paulo?

Fernando Resende: O Campeonato será disputado com 72 equipes divididas em grupos. Nós vamos para São João da Boa Vista. Nós vamos lá para sermos campeões. Para fazer bonito e levar o nome de Valparaíso. Hoje você viu o trabalho dos garotos, jogaram com os garotos mais velhos do Santa Maria e mostraram a qualidade que a gente esperava.

Alô Valparaíso: A Flaval ficou desativada durante algum tempo. Por quais motivos isto aconteceu?

Fernando Resende: O que aconteceu com a Flaval foi o seguinte. Quando acabou o governo da Lêda Borges e veio o novo governo da prefeita Lucimar não tivemos apoio nenhum. Nada, nada, vezes nada. É a primeira vez que estamos pedindo apoio para a Prefeitura. Então, nesta parada aí eu fui trabalhar em São Paulo. Fui treinador da categoria sub-17 do União São João de Araras e depois fui para a Portuguesa Santista. Quando terminou na Portuguesa Santista eu voltei, porque eu ia trabalhar em Barreiras-BA, mas não deu certo. Aí foi quando eu me entendi com o Celso Pereira e retornamos com o trabalho da Flaval. Agora com este retorno nós iremos fazer a nossa primeira excursão.

Alô Valparaíso: No antigo Governo Municipal havia apoio para a Flaval?

Fernando Fernandes: No antigo governo a Lêda Borges apoiou. Quando precisava de ônibus, ela sedia o ônibus. Depois ela nos deu uma ajuda de custo de R$ 3 mil por mês. E quando veio a Lucimar, ela conversou com a gente e demonstrou ser uma pessoa que iria ajudar. Depois não ajudou com nada e foi aí que a Flaval ficou desativada.

Alô Valparaíso: Neste ano nós teremos campanha política, para escolher o novo prefeito ou prefeita em Valparaíso de Goiás. O senhor politicamente apoiará qual pré-candidato?

Fernando Fernandes: Eu politicamente, em todos estes anos de Valparaíso, desde 1990, sempre dei um apoio sem trabalhar, sem correr atrás. Já visitei mais de 40 mil residências dentro de Valparaíso. Sou um cabo eleitoral forte, mas nunca trabalhei para nenhum candidato a prefeito. Mas nesta próxima eleição eu vou com força, vou trabalhar com força. Vou subir em palanque, vou correr atrás. Vou apoiar o pré-candidato a prefeito Afrânio, o famoso pica-pau. Vi ele ir na beira de campo da decisão do Campeonato Amador de Valparaíso, lugar aonde não apareceu nenhum representante do governo municipal. Esse governo que está aí não tem interesse por esporte. O Afrânio tem o meu apoio e eu vou fazer de tudo para ele vir a Prefeito.