A teacher is sitting on the floor with her preschoolers and day care students - they are playing with plastic blocks together.

Compartilhe esta matéria!

Férias escolares em casa: como brincar e fortalecer o corpo ao mesmo tempo

Especialista explica como aproveitar a diversão no isolamento social para ajudar no desenvolvimento motor infantil

O estímulo motor para a criança é muito importante para que ela desenvolva habilidades básicas do dia a dia formando a base motriz, fundamental para tarefas recreativas e esportivas. O isolamento social fez com que as crianças tivessem mais dificuldade de serem estimuladas, já que o maior meio de aprendizagem para o tema são as creches e escolas.

Sendo assim, Rubens Rafael da Silva, coordenador dos cursos de Fisioterapia e Educação Física da Faculdade Anhanguera, traz algumas brincadeiras que as crianças podem fazer em casa e durante as férias para que elas não percam o desenvolvimento motor amplo.

DE 0 A 3 ANOS

“Nessa fase, é interessante estimular as crianças com brinquedos que simulam movimentos de pinças e blocos de encaixes. Uma brincadeira para fortalecer o corpo dos pequeninos é aquela conhecida como Morto-Vivo”, aconselha Rafael. Segundo o professor, essa atividade, que consiste em agachar (morto) e ficar com o corpo ereto (vivo), é capaz de promover o fortalecimento muscular e das articulações das pernas, além de ajudar na coordenação motora e equilíbrio. “A criança ainda aprende a obedecer comandos simples”, continua.

Caso tenha a infraestrutura, brincar de escorrega também é válido. Ela aciona os músculos estabilizadores de tronco e ombros e melhora a coordenação e percepção do corpo. Já pensando na motricidade fina, pintar e desenhar, seja de lápis, pincel ou giz de cera, ensina a criança a controlar movimentos e ter noção do espaço que possui para a atividade.

DE 4 E 5 ANOS

Algumas atividades aqui já requerem mais espaço, como pique-pega, esconde-esconde e cabo-de-guerra. De acordo com o especialista, elas auxiliam, respectivamente, na movimentação dinâmica por conta do abaixar, pular e correr em várias direções, desenvolvendo também o condicionamento cardiorrespiratório, e no fortalecimento da musculatura de braços e pernas usando as articulações para gerar força.

Para quem não tem espaço, a amarelinha ou circuitos podem ser uma opção, já que eles fornecem mais equilíbrio dinâmico. O professor dá dicas de como fazer o circuito com objetos de casa: “Utilize barbantes, bexigas, lençóis, cordas e bolas. Dá para improvisar bem, basta usar a imaginação. Monte o máximo de estações que conseguir, estimulando uma maior quantidade de atividades, que ajudam mais áreas do corpo no fortalecimento muscular”, orienta.

Algumas ideias para as atividades do circuito são colocar cordas para a criança passar por baixo e por cima, pendurar um lençol para que ela enrole, passar por dentro do bambolê, grudar fita adesiva no chão como um caminho para a criança andar com um pé da frente do outro, atirar meias no balde, entre outros.

DE 6 A 12 ANOS

Para os mais velhos, natação, queimada, carrinho de mão e jogos em geral ajudam a criar habilidades mais específicas e senso de competição. “A natação é um excelente exercício, pois, ajuda na postura corporal, fortalecendo a musculatura, além de auxiliar na capacidade cardiorrespiratória. O jogo de queimada desenvolve a força e agilidade, e o carrinho de mão estimula os músculos dos braços, a coordenação motora e o abdome”, explica o coordenador.

Outras atividades que podem ser incentivadas são salto de corda e pular o elástico. “No ambiente interno, em casa, pode apostar em danças, que ajudam no controle motor e da respiração. Dança da cadeira e jogos de tabuleiro, como dama, xadrez e ludo, também são estimulantes. Nessa idade, o circuito motor é uma opção sugerida, com um nível de dificuldade maior”, finaliza.

Alô Valparaíso/* Com informações do idealhks