Compartilhe esta matéria!

Fazendo história com a própria gaita 

O musicista fez participação no clipe FÉ e amor do Hungria tocando gaita e pretende montar sua própria banda ainda este ano 

O Músico e Gaitista, Igor de Miranda, 25 anos é conhecido por sua participação com o Hungria Hip Hop, o projeto acústico Cheiro do Mato, por convite do Tom Suassuna, violinista, que teve contato com o Hungria por terceiros, onde os músicos não apenas tocaram como fizeram os arranjos – a parte instrumental da música. “Até o momento só tinha parte da letra e acompanhamento simples de violão. Minhas expectativas honestamente eram BEM MENORES do que realmente aconteceu, até hoje eu toco nos lugares, vou fazer compras, na rotina normal inclusive fora do DF e as pessoas me reconhecem (de máscara!) pedem pra tirar foto, agradecem, dizem que são fãs, aquela coisa toda que se pode imaginar, já autografei até camiseta, ouço as pessoas até o dia dessa entrevista ouvindo as músicas no seu dia a dia, acordou ouvindo Amor e Fé incontáveis vezes, de Taguatinga, Ceilândia, até São Paulo capital e Ubatuba, lugares onde estive nos últimos meses, surreal mesmo”. Afirma entusiasmado. 

O musicista expressa gratidão pela banda e oportunidade “Sobre o trabalho em si, gosto sempre de deixar claro é sempre prestar minha admiração imensa e absoluta aos outros membros da banda, Tom Suassuna, Lucas Tufas, Lucas Reis, Lucas Ramalho, Léo Brito, Luan Padal e claro, o produtor do projeto que abraçou a banda, Ailton Bortotti, todos veteranos da cena musical em todo o DF e músicos de altíssimo nível, que são meus mestres, eu sou o mais novo atuando na música, trabalhei em muitas outras coisas enquanto a maioria já teve 2 ou 3 bandas, tocaram fora do Brasil e afins, só tenho a agradecer ao mundo por ter a oportunidade de me cercar músicos e pessoas sensacionais, são todos meus mestres e amigos”.

Banda Cheiro do Mato, banda que se originou do projeto acústico do Hungria Hip Hop “Cheiro do Mato”, além de ser a banda que o tem acompanhado em eventos particulares, gravações e lives.

Músico sonha montar sua própria banda e mostrar para o mundo para o que veio Foto: Leandro G. Moura  

Vivendo para sobreviver 

Igor afirma ter seu Instagram como uma grande ferramenta para o trabalho, está sempre ativo, e lá mostra detalhes do seu curso online de gaita e inclusive conteúdo gratuito para começar a tocar ou se aperfeiçoar na Gaita!

Já atuou em diversos gêneros com artistas do Brasil todo como Reggae, Hip Hop, Rap, Pop, Rock, Blues e até sertanejo, todas disponíveis nas principais plataformas digitais como Spotify, Deezer etc. Confira algumas:

  • Cheiro do Mato – Hungria Hip Hop
  • Áries e Escorpião – Banda Boho (Rap Acústico)
  • Cachu de Tarde – Arthur Xará (Reggae)
  • 500 Mexicanos – Ramon Cardoso (Sertanejo)

O gaitista afirma para seus alunos que se você ouve música, você entende e estuda música embora nem saiba disso independentemente de estar em uma escola de música ou tendo aulas particulares, o músico foi influenciado por sua família ao rock e no heavy metal, tendo a guitarra como seu primeiro instrumento aos 16 anos, adolescente roqueiro que começou tocando guitarra no heavy metal e terminou tocando gaita no Hip Hop.

Aprendeu a tocar a gaita estudando música medieval, mais especificamente música Celta\Irlandesa, universo que sempre foi apaixonado desde a infância e por influência do seu primeiro professor de Gaita e de Música, Caetano Rojas, líder e solista da banda de música medieval Kiaulles. Hoje é aluno da Escola de Música de Brasília (CEP-EMB), 

“Ouço de tudo, toco de tudo, ouço desde o violino mais suave à bateria mais pesada. Onde meu instrumento tiver fator de soma na música – seja ela qual for – eu vou”. Conclui o artista

Quebrando paradigmas 

Grande parte dos artistas acreditam que devam começar desde criança a tocar ou cantar, mas Igor, afirma que isso não se faz a todos “não toco desde criança, música não precisa (embora ajude) começar na infância para chegar a algum lugar, e por último, música NÃO É Dom divino, Deus me deu o mesmo dom que deu a todos nós. Comecei na música ainda na adolescência tocando guitarra aos 16 anos no rock e no metal de maneira informal, mas comecei na Gaita ainda na faculdade com 20 anos de idade, há 5 anos, mas são 5 anos de muito sangue, suor e lágrimas para compensar não ter começado antes. Atuo profissionalmente como músico, instrumentista e professor de gaita e de música há 3 anos”. Exclama o especialista 

A música vive em Igor não só como profissão, mas também por amor, “não me via fazendo outra coisa, era um aluno relapso e distraído na escola, mas passava horas imerso com uma guitarra no colo, não queria ser só mais um e a vida como funcionário no Brasil é doentia (da saúde física e mental), não podia ficar naquilo minha vida toda e não desejo a ninguém. Logo depois de ter encontrado o meu instrumento, descobri que era uma linguagem pouco explorada embora muito apreciada, nela encontrei minha própria linguagem e o presente de poder dar a outras pessoas esse mesmo poder, o poder de dizer a frase “Eu toco gaita!” isso é empoderador! Faz bem para o corpo, para a alma, para a autoestima, além de levar esse instrumento adiante, apresentar e o democratizar para as massas, além de fazer dela a minha marca e minha expressão em vida”. Explica Igor

E ainda em 2021 o artista vai começar sua própria banda, onde vai tomar a frente administrativa, de divulgação, publicidade e marketing (por ter essa formação acadêmica) e claro, tocar gaita. “Já tenho todos os nomes em mente, donos de vozes poderosíssimas e uma mentalidade profissional e de mercado (o que o mercado da música é bem carente e aproveito para avisar que é o motivo de insucesso de muitos) e pretendo ter tudo pronto para o fim da pandemia já sair tocando, aliás, com o time que escolhi já aviso que é bom a cena Rock de Brasília se preocupar”.

O cantor afirma que suas inspirações são homens e mulheres pretos e indígenas, e que partiria hoje em paz por acreditar que deixou sua marca e mensagem, mas que vai ficar por ainda ter muito a fazer. 

Acompanhe o artista

  • Instagram – @igorcanedogaita 
  • Youtube – Igor Canêdo Gaita

Alô Valparaíso/*Com as informações da