No último dia 06 de julho, uma matéria publicada no portal Metrópoles denunciou mais um episódio de descaso na Saúde pública do Distrito Federal. Segundo denúncia, pacientes estão sendo obrigados a tomar banhos gelados no início deste inverno no Hospital Regional da Asa Norte (Hran).

O veículo de comunicação do DF relata que parentes da aposentada Kimio Ueda, de 84 anos, internada no Hram há 20 dias, fizeram uma série de denúncias sobre a falta de estrutura da unidade, como a ausência de medicamentos básicos; de insumos, como gaze e termômetros; e a falta de médicos especialistas em proctologia, além da ducha fria.

Segundo Tatiana Ueda, neta da aposentada, a avó é moradora de Valparaíso (GO) e peregrinou por várias unidades de saúde, como a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Recanto das Emas, antes de ser internada. Sentindo fortes dores abdominais, Kimio acabou transferida para o hospital da Asa Norte. “Sofremos para receber o primeiro atendimento. Depois, conseguimos ficar no box antes da transferência para o quarto, mas a situação não está fácil”, disse.

Tatiana, que trabalha como consultora em Fortaleza (CE), teve que deixar o trabalho para acompanhar a avó no DF e ficou assustada com a precariedade no atendimento de um dos principais hospitais da capital da República.

“Minha avó precisou tomar banho frio durante sete dias depois que a água quente parou de chegar ao chuveiro do quarto. Para uma pessoa de idade avançada e com esse tempo frio, não ter água quente é um transtorno, pois coloca em risco a saúde do paciente”, afirmou Tatiana Ueda.

Os relatos informam ainda que o hospital não tem em estoque medicamentos básicos, como Plasil — usado no tratamento de náuseas e vômitos — e materiais essenciais, como ataduras. “Quem tem uma condição financeira um pouco melhor é orientado pelos servidores a comprar o que está em falta”, diz  Tatiana.

Postado por Marcelo Carlos (com as informações de Metrópoles)