Na última segunda-feira, dia 22 de agosto, o estudante Nathan Damascena Gonçalves, de 17 anos, foi morto a tiros após se recusar a entregar a bicicleta em que estava para assaltantes, em Valparaíso de Goiás, Entorno do Distrito Federal. De acordo com a polícia, o adolescente tinha acabado de sair da escola quando foi surpreendido pelos criminosos.

Um dia após o assassinato, a Polícia Civil apreendeu um adolescente de 14 anos, suspeito de matar o jovem Nathan. Na ocasião, um homem de 21 anos que escondia a arma utilizada pelo menor foi detido.

Como aconteceu o crime

Segundo relatos, o estudante da Escola Municipal Cora Coralina deixou a sala de aula no final da manhã, indo em direção à casa de seus familiares, conduzindo sua bicicleta. Após percorrer cerca de 1 km, foi interceptado por outro menor, de apenas 14 anos, quando passava pela quadra 118 da 1ª Etapa do mesmo bairro. De acordo com vizinhos, o menor exigiu de Nathan Damasceno Gonçalves a sua bicicleta, avaliada em R$ 500,00 e que tinha friso cromado, detalhe que chamou a atenção do suposto criminoso.

Uma mulher que mora próximo ao local do crime conta bastante emocionada que Nathan, ao ser abordado, se recusou a entregar a bicicleta, saindo em disparada com o veículo, momento em que recebeu um tiro no peito, matando-o quase instantaneamente. Percebendo a tragédia, o menor fugiu, sem levar a ‘magrela’. O suposto delinquente foi apreendido logo em seguida pela Polícia Civil, estando à disposição do CIOPS.

Mesmo com a apreensão do suspeito homicida, a tragédia não amenizou o drama dos familiares de Natan. Era visível o sentimento de dor e revolta pelo estúpido assassinato.

Na manhã da última quinta-feira (25), a reportagem do Blog do Amarildo esteve no local do crime e constatou cenas de comoção e tristeza, como da vizinhança, parentes e de amigos. “Não entendo como tudo isso aconteceu. A gente sabe da alta criminalidade nesse bairro, mas aqui, nessa quadra (118), há 25 anos nunca havia acontecido isso. Estamos todos estarrecidos, principalmente por se tratar da morte de um jovem de apenas 17 anos, que estudava e tinha todo um futuro pela frente”, disse uma moradora das redondezas, chocada com a morte do adolescente.

Já na casa dos parentes, o Blog conversou com uma das tias da vítima. “Esta dor nunca terá fim para nós familiares. Nem a polícia tampouco o Estado vão reparar essa perda”, desabafou Silvana Maria Gonçalves.

A tia reclamou ainda que, no bairro, as pessoas humildes e honestas não podem ter nenhum bem material de valor, a não ser os bandidos. “Aqui, se você anda de bicicleta ou com carro de maior valor, você vai perdê-lo um dia. Esta é, infelizmente, a nossa realidade”, acrescentou  Silvana.

No CIOPS, o suposto assassino, que tem antecedentes criminais, em depoimento à polícia, disse que adquiriu a arma, cujo calibre não foi informado, um mês antes, e que, anteriormente, já havia possuído um revólver de brinquedo, e que também  teria presenciado outro homicídio na região.

Passeata exigindo mais segurança e justiça

Nesta sexta-feira, dia 26 de agosto, uma passeata será realizada a partir das 18 horas, na entrada do Jardim Céu Azul. O ato acontecerá em protesto ao bárbaro crime ocorrido no inicio da semana.

Postado por Marcelo Carlos (com as informações do G1/Blog do Amarildo)