As vésperas das eleições municipais eles reaparecem, sempre com as mesmas promessas que não cumpriram em seus mandatos confiados pelo voto popular. No meio de tanta ladainha, 90% deles reprometem melhorias nas áreas da Saúde, Educação, Infraestrutura, Esporte, Lazer, etc. Porém, a proposta mais falada de todas trata sobre a sonhada “Guarda Municipal”.

De fato, a maioria dos candidatos à reeleição aproveita o momento de insegurança vivido no município, para tirar proveito eleitoral e levantar a bandeira da segurança pública. Querem que os cidadãos valparaisenses caiam mais uma vez no golpe, desejam mesmo que tudo continue como dantes no Quartel de Abrantes. 

Contudo, cansados de tanto lero-lero, os moradores de Valparaíso de Goiás, no Entorno do Distrito Federal, parecem que finalmente ficaram mais atentos com os charlatões da política local, e nas ruas da cidade criticam a maioria dos vereadores que buscam uma reeleição no dia 02 de outubro.

“Se nós queremos verdadeiras mudanças, não podemos reeleger ninguém. O Jardim Céu Azul está abandonado pelos representantes que elegemos, e os vereadores do bairro só lembram da nossa gente no período eleitoral”, disse uma feirante enquanto trabalhava.

A revolta da população estende-se pelos quatro cantos da cidade. Nos bairros Morada Nobre e Jardim Oriente, o povo já não aguenta mais tantos problemas e está desacreditado com todos os candidatos.

“Estou cansada desses vereadores Copa do Mundo, que são aqueles que voltam de 4 em 4 anos. Não reelejo mais ninguém. O voto da minha família não reelegerá ninguém”, desabafou Maria de Lourdes Sampaio, moradora do Valparaízo II.

No Valparaízo I, muitas pessoas estão indignadas com a proximidade das Eleições. Segundo Antônio Pacheco, os eleitores seguem exaustos com discursos hipócritas de gente que já esteve em todos os grupos políticos da cidade. “Esse papinho de moralização, bom uso do dinheiro público e de vou fazer, não me engana mais. Quero mais ação e menos falação. É o sujo falando mal lavado”, afirmou o morador da Etapa B.

Por Marcelo Carlos