Um laudo pericial confirmou que o corpo da mulher achado enterrado em uma chácara de Luziânia, no Entorno do DF, é da Márcia Pereira da Silva, de 51 anos. Ela estava desaparecida havia sete meses. Inicialmente, a suspeita é que o cadáver seria da auxiliar de serviços gerais Valéria Aparecida Menezes Barreto, de 34, que segue sumida.

O suspeito de matar Márcia está preso. Trata-se de Paulo Henrique dos Santos, de 46 anos. Segundo a Polícia Civil, ele é ex-cunhado de Márcia e ex-namorado de Valéria.

O corpo foi encontrado enterrado na chácara, que fica no Parque Estrela Dalva 8, no último dia 15 de outubro. Parentes de Valéria acharam o local e acionaram a Polícia Militar. Eles acreditavam que se tratava do corpo da mulher, que havia desaparecido quatro dias antes.

No entanto, no local foi encontrado um tênis, reconhecido pela família da aposentada como sendo dela. “Ele [Paulo] a ajudou a se aposentar, mas ficava com o cartão dela e recebia parte desse pagamento. Suspeitamos que começou a ter um desentendimento em relação a valores e ele a matou”, disse ao G1 o delegado Maurício Passerini.

O inquérito sobre a morte da aposentada foi concluído. Paulo Henrique foi indiciado por homicídio e aguarda julgamento preso preventivamente.

Sumiço de Valéria
Com a solução deste caso, segue o mistério sobre o paradeiro de Valéria. Ela desapareceu no dia 11 de setembro após ir ao dentista.

Quando o corpo foi encontrado, parentes lembraram que o ex-namorado da mulher tinha pedido ajuda ao padrasto dela para cavar um buraco na propriedade. Como o homem se recusou, o ex-namorado pagou outra pessoa para fazer o serviço.

Na época, um irmão de Valéria, Valderi Renan Menezes, disse que tinha reconhecido a vítima. “O rosto dela foi queimado por produtos químicos, então a gente só conseguiu reconhecer ela pelas roupas”, disse.

Diante da situação, o caso do desaparecimento da auxiliar de serviços gerais foi transferido para a Delegacia de Santa Maria, no DF, onde ela morava.

Via G1-GO