Muitos consumidores estão indo às compras para preparar a tradicional Ceia Natalina. Em tempos em que a palavra de ordem é economia, além da pesquisa de preços que é fundamental em qualquer momento, é necessário também avaliar a possibilidade de substituição de produtos de marcas mais caras pelas de preço um pouco menor.

Para auxiliar os consumidores, o Procon Goiás visitou do dia 12 ao dia 19 deste mês 16 supermercados de Goiânia verificando os preços de 89 itens utilizados para o preparo da ceia, como: frutas, grãos, panetones, aves, carnes e bebidas. As frutas registraram variação entre menor e maior preço de até 334,45%.

Produtos com aumento médio nos últimos 12 meses
– Os panetones (frutas e chocolate) registraram um aumento médio de 4,85%, considerando o preço médio praticado em dezembro do ano passado e os preços médios atuais
– As carnes e aves (peru, chester, tender, pernil e lombo) tiveram um aumento de 5,94%, no mesmo período
– O bacalhau (Ling, Porto e Saithe), teve aumento médio registrado de 4,55%. Neste caso, se considerarmos o aumento médio registrado individualmente, damos destaque ao aumento registrado no quilo do bacalhau do Porto de 10,21%. No ano passado, o quilo era vendido em média a R$ 53,91 e atualmente custa, em média, R$ 59,41
– As frutas tiveram redução no preço. Foi apurada uma redução média de -6,75%, considerando os preços médios atuais e os preços apurados no levantamento realizado em dezembro de 15.

Variações entre menor e maior preço 
– Considerando apenas produtos idênticos, mesma marca e tamanho, a variação de 54,73% foi apurada no Panetone Bauducco (frutas) de 500 gramas. O menor preço encontrado foi de R$ 14,80 e o maior a R$ 22,90.
– O quilo do peru tradicional Sadia foi encontrado com menor preço a R$ 14,48 e o maior a R$ 21,90, variação de 51,24%.
– Com 80,12% de variação, o quilo do chester desossado da marca Perdigão teve oscilação de preços variando entre R$ 15,49 a R$ 27,90.
– O quilo do Tender Bolinha Sadia, cuja variação de preço foi de 94,09%, foi encontrado a preços que variaram entre R$ 23,69 a R$ 45,98.
– O pernil congelado sem tempero da marca Sadia, teve o quilo encontrado ao menor preço de R$ 9,99 e o maior a R$ 18,98, variação de 89,99%.

Vendido dentro dos açougues dos supermercados, o quilo do lombo suíno teve o menor preço encontrado a R$ 12,99 e o maior a R$ 19,99, variação de 53,89%
– O tradicional bacalhau do Porto, foi encontrado ao menor preço do quilo a R$ 47,90 e o maior chegando a custar até R$ 76,90. Variação de 60,54%
– O azeite de oliva extra virgem Gallo 500 ml, foi encontrado com preços que variaram entre R$ 21,48 até R$ 34,99, variação de 62,90%

Em relação às frutas, o órgão salienta que é muito importante dar preferência para os dias de promoção de hortifrúti, já que muitas dessas grandes variações identificadas pelo órgão se deram ao fato de no momento da coleta alguns estabelecimentos estarem praticando preços promocionais.

Exemplos:

– O quilo do pêssego nacional foi encontrado ao menor preço a R$ 1,89 e o maior a R$ 6,99, variação de 269,84%.
– A bandeja de morango, cuja variação entre menor e maior preço chegou a 200,67%, teve os preços variando entre R$ 2,99 a R$ 8,99.

– O quilo da nectarina teve variação de 334,45%, com preços que variaram entre R$ 2,99 a R$ 12,99.
– Sem levar em consideração a marca, mas considerando o mesmo peso, podemos citar o pacote de 200 gramas da castanha do Pará sem casca, cuja variação chegou a 78,05%, com preços variando entre R$ 14,99 a R$ 26,69.
– O pacote de 250 gramas de pistache torrado teve o menor preço encontrado a R$ 27,99 e o maior a R$ 39,95, variação de 42,73%.

– As bebidas tiveram variação de 121,14%, a garrafa de 660 ml do espumante Cereser Tradicional variou entre R$ 7,19 a R$ 15,90

Orientações 
De acordo com o Procon, é importante definir previamente, de acordo com o orçamento doméstico familiar, quanto poderá ser gasto com as compras desses produtos. Deve ser levado em consideração alguns tipos de marcas com preços mais atrativos e elaborar uma lista de produtos, considerando em primeiro lugar aqueles itens que não poderão ficar de fora da ceia natalina.

Com a ajuda de uma calculadora, vá contabilizando os produtos na medida em que for colocando no carrinho. Desta forma poderá avaliar, após a compra dos itens essenciais, quanto ainda poderá ser gasto com as compras. Sendo assim, além de não prejudicar a qualidade da ceia de Natal, a saúde financeira ficará preservada.

A pesquisa completa está no site do Procon.

Via Goiás Agora