Segundo matéria publicada na última sexta-feira (22), no site do Jornal Opção, a titular da Secretaria da Mulher, Desenvolvimento Social, da Igualdade Racial, dos Direitos Humanos e do Trabalho, Lêda Borges, esteve presente a evento que celebrou um convênio entre o governo do Estado e o Sebrae para ampliar a capacitação de profissionais em várias regiões de Goiás. 

De acordo com a publicação, na ocasião a Deputada Estadual falou sobre uma possível disputa à Prefeitura de sua cidade, Valparaíso de Goiás, no Entorno do Distrito Federal.

O meio de comunicação da capital escreve que Lêda já declarou que não tem vontade de voltar a concorrer ao cargo que ocupou entre 2009 e 2012, mas não descartou que possa entrar na disputa.

O texto do jornal de Goiânia fala que com apoio da população da cidade, que a aponta como favorita nas pesquisas de intenção de voto, Lêda pode ser a candidata do PSDB caso o partido não emplaque outro nome competitivo. “Nada é descartado, tudo é revisto, tudo é pensado”, elucubrou ela. 

“O PSDB tem um pré-candidato — e pré-candidatura é pra isso mesmo, pra alavancar um nome — que é Pábio [Mossoró], um vereador de dois mandatos, que é partidário, rapaz que não tem mácula”, defendeu ela.

Na entrevista de ontem (22), Lêda também lembrou os demais partidos do grupo do PSDB: “O PSD tem outro nome, o PR também: a base aliada do governador Marconi Perillo tem nomes”. A ex-prefeita de Valparaíso fala dos vereadores e também pré-candidatos Dr. Marcus Vinícius (PSD) e Afrânio Pimentel (PR).

Para a Deputada Lêda, o ideal é conseguir que um candidato forte se coloque, mas deixou claro que a opção por não concorrer não é definitiva: “Eu preciso ver se esses nomes conseguem chegar à comunidade com uma boa proposta, agora na pré-campanha”.

No bate-papo com o Jornal Opção, Lêda não poupou críticas à atual administração da cidade, comandada pela prefeita Lucimar Nascimento (PT) — que a derrotou em 2012.

“Estarei em um projeto para que nós tenhamos alternância do poder lá. Por entender, não só eu, como toda a cidade, que a gestão está péssima”, garantiu ela. “Devo à minha cidade toda a minha identidade de pessoa pública, não posso querer que ela continue sendo mal administrada”, completou.

Por Marcelo Carlos (com as informações do Jornal Opção)