O Distrito Federal (DF) passa por um surto de caxumba. Desde o início do ano, foram 525 casos da doença.

O número pode ser maior porque os profissionais de saúde não são obrigados a notificar o Ministério da Saúde sobre os pacientes com caxumba.

A chegada do inverno, que no DF tem mudanças bruscas de temperatura e baixa umidade do ar, ajuda na proliferação da doença.

A transmissão ocorre principalmente pelo contato direto de saliva ou secreções da boca ou do nariz. Os sintomas da caxumba parecem os da gripe, como febre, dor de cabeça e fraqueza.

A diferença é que a pessoa com caxumba sente dor ao mastigar e tem inchaço na glândula parótida, uma glândula salivar que fica abaixo da orelha.

Nos próximos dias, o Distrito Federal vai receber mais de 12 mil doses das vacinas tríplice e tetra viral, que protegem contra a caxumba e outras doenças.

Crianças recebem a primeira dose aos 12 meses de idade, com reforço aos 15 meses. Pessoas de 10 anos a 19 anos que não foram imunizadas devem tomar duas doses da tríplice viral.

Para quem tem de 20 anos a 49 anos, é recomendada uma dose. Neste ano, 41 mil pessoas, no Distrito Federal, tomaram as vacinas que protegem contra caxumba.

Da Agência Brasil