Distrito Federal: máscaras serão produzidas por R$ 0,45 na Papuda

Objetivo é ajudar na ressocialização dos detentos, além de permitir o reabastecimento de estoques do sistema socioeducativo e de entidades terapêuticas

No Distrito Federal, 40 detentos do Complexo Penitenciário da Papuda vão ajudar no combate a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Eles fazem parte do programa de ressocialização da Fundação de Amparo ao Preso (Funap) e irão produzir cerca de 30 mil máscaras por mês para reabastecer os estoques da Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus) destinadas às unidades do sistema socioeducativo, Pró-Vítima e entidades terapêuticas.

Segundo a Secretaria de Justiça e Cidadania, pelo trabalho, além do abrandamento na pena – cada três dias na ativa equivalem há um dia a menos no sistema prisional –, cada preso vai receber o equivalente a três quartos do salário mínimo, ou seja, R$ 783,75.

De acordo com secretária Marcela Passamani, o valor da contribuição só foi possível porque a pasta vai comprar boa parte da produção a um custo muito menor que o praticado no comércio. “Temos dois bons motivos para essa aquisição: a ajuda na ressocialização deles e a falta desses equipamentos no mercado”, explicou.

O detento Gildásio Fernandes está feliz com a oportunidade. “Estamos gratos de poder contribuir numa hora dessas. É como se a gente pudesse pagar um pouco pelo que já fez de mal para sociedade”, avaliou.

Da Redação do Alô Valparaíso/*Com as informações da Agência Brasília

Detentos produzem máscaras para o combate ao Covid-19. (Foto: Reprodução/Vídeo GDF)

Compartilhe esta matéria!