O Distrito Federal está em situação de alerta para o Aedes Aegypti, já que o índice de infestação predial em fevereiro ficou acima de dois por cento. No final de 2017, estava abaixo de um por cento.

Os dados são do levantamento de Índice Rápido para o Aedes Agypti, instrumento utilizado por todos os estados brasileiros para verificar a situação do vetor de várias doenças como febre amarela, zika, chikungunya, dengue.

As informações foram divulgadas na manhã de hoje pela Secretaria de Saúde do DF.

Seis cidades das regiões administrativas do Distrito Federal apresentam risco de surto para a doenças relacionadas ao Aedes Aegypti. São elas: Sobradinho dois, Varjão, Lagos Sul e Norte, Fercal e Park Way.

Todas estão localizadas na parte norte da capital e têm como característica comum o armazenamento incorreto da água da chuva, por causa do racionamento.

Outras 14 cidades estão em situação de alerta para a possibilidade das doenças do mosquito e apenas três não apresentaram nenhum tipo de foco do Aedes.

Segundo o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde sobre os casos de dengue, referente ao período de 31 de dezembro de 2017 até o dia três deste mês, o Brasil registrou mais de 22 mil casos prováveis de dengue, sendo mais de seis mil descartados e nenhuma morte.

A região Sudeste apresentou o maior número de possíveis doentes, seguida pela Centro Oeste, Norte, Nordeste e Sul.

Via Agência Brasil