Compartilhe esta matéria!

Detalhe sobre roupa de mulher degolada no DF fez acusado se contradizer

Adenor, que assumiu ter matado a vítima, de 38 anos, disse que ela havia saído de casa, mas não sabia explicar por que ela estava de pijamas

O assassino confesso de Karla Roberta Fernandes Pereira, 38 anos, encontrada degolada em um matagal no domingo (25/4), foi preso por policiais da 33ª Delegacia de Polícia (Santa Maria) após se contradizer em seu depoimento.

Segundo o delegado da unidade policial, Paulo Fortini, inicialmente Adenor Pacheco de Oliveira, 47, apresentou uma versão que não condizia com os fatos. “Não sabia explicar por que a esposa falou que iria embora, mas foi encontrada só de pijamas. Se contradizia quanto aos horários. No interrogatório, falou que o fato era grave mesmo e acabou confessando”, comentou Fortini.

O delegado explicou ao portal de noticias do DF Metrópoles que a mulher vestia pijamas quando foi encontrada e não possuía qualquer identificação.

Um dos policiais envolvidos na ocorrência relatou que, ao chegar ao local, percebeu que a cozinha havia sido limpa e o carro estava lavado. Uma presilha de cabelo da vítima estava debaixo da mesa do micro-ondas. Ainda com o veículo aparentemente limpo, uma mancha de sangue foi identificada pelos investigadores.

Também na residência do casal, o policial identificou que as roupas que eles haviam usado na festa da noite anterior estavam no local. O celular de Karla foi localizado pelo filho dela e um facão que Adenor escondia no telhado não estava mais no esconderijo.

Adenor afirmou ter agido por ciúmes. O caso foi confirmado como feminicídio devido à motivação: o homem era companheiro da vítima.

Alô Valparaíso/Com informações Metrópoles