Desaparecimento de Thayna segue sendo um mistério

Estudante desapareceu em fevereiro de 2017.

Após um ano e seis meses, o desaparecimento da estudante de Enfermagem, Thayna Ferreira Alves, de 22 anos, segue sendo um mistério para as autoridades policiais, em Valparaíso de Goiás. Contudo, a família não perde a esperança e continua em busca de informações que ajudem a solucionar o caso.

Thayna foi vista pela última vez no dia 16 de fevereiro de 2017, quando imagens de câmeras de segurança mostraram ela e o padrasto, Waldezar Cordeiro de Matos, de 65 anos, saindo do condomínio onde moravam na Etapa A. Depois disso, a jovem nunca mais retornou para casa.

Na época, Waldezar alegou que teria atendido um pedido da enteada e deixado a mesma num ponto de ônibus, na BR-040.

Meses depois, o padrasto foi detido suspeito de ter matado Thayna e ficou preso por cerca de 30 dias no Complexo Prisional de Luziânia. Livre ele nega ter assassinado a filha da ex-companheira.

Na última quarta-feira (12/09), a Record Brasília lembrou o caso e entrevistou Jussara Ferreira, mãe da universitária. Aflita, ela continua em busca de informações e sonha em conseguir localizar sua filha. “A Thayna é tudo para mim, é ouro. Não sei como consigo ficar de pé sem ela. Mas é Deus, com certeza”, contou para o programa Cidade Alerta DF.

Felipe Lacerda, irmão de Thayna, espera que a Justiça seja feita e que o ex-padrasto seja preso. “Que a gente tenha pelo menos condições de enterrar a minha irmã. E que minha mãe tenha sossego. Porque ela chora todos os dias, fica mal e isso é avassalador. Isso dói demais”, comentou em reportagem da emissora do DF.

Da Redação do Alô Valparaíso