Compartilhe esta matéria!

Depressão: Tão comum quanto o câncer

“Vista pela sociedade como frescura de pessoas taxadas de fracas por não conseguirem lidar com seus problemas, em 2019 a depressão matou em média 11 mil pessoas no país”

A depressão mesmo após anos de estudo ainda é vista por muitos como algo que não se caracteriza como doença, grande parte da população “tira sarro” de quem possui e critica sem ao menos conhecer, segundo a OPAS Brasil estima-se que mais de 300 milhões de pessoas de todas as idades sofrem deste transtorno, sendo que mais de 11 mil morrem ao ano ao cometerem o suicídio entre 15 a 29 anos no Brasil, é uma doença pouco falada por medo de que algo que for comentado possa ser um gatilho para alguém cometer o suicídio, mas conforme o tempo passa estamos percebendo que é uma doença psicológica perigosa e que precisa de conscientização por parte do governo e da população.

A Dr. Ana Beatriz Barbosa é especialista na área de doenças neurológicas, a psiquiatra tem 54 anos de idade, e afirma que “o suicídio é um assunto pesado mas necessário, está mais do que na hora de falarmos sobre”, Não falar sobre o assunto faz com que muitas pessoas deixem de evitar, mais de 90% dos suicídios são evitáveis, o impulso do suicídio é momentâneo se a pessoa conseguir passar esse impulso ela logo se arrepende.

O isolamento imposto para prevenir a contaminação em massa do covid-19 trouxe várias consequências não só no campo profissional e social, mas também no emocional de muitos. 

É importante não abandonar o tratamento com medicamentos e a psicoterapia, que pode ser realizada virtualmente.

Segundo a psiquiatra as pessoas estão começando a falar, a mídia ainda tem um comportamento ruim, elas noticiam os suicídios de ídolos: cantores, atores pessoas famosas. Fazem ao contrário dão motivos para o suicídio, é importante lembrar que não a nada romântico no suicídio, é um ato de desespero impulsivo ou premeditado, não a nada filosófico é um ser humano em desespero. Ela não quer mais sofrer, é importante alguém estar ali para dar um suporte. 

O papel do CVV (188), é isso ele está lá 24 horas por dia, quando ele recebe uma ligação e consegue estar ali com aquela pessoa em desespero por 15 minutos aquela vida foi salva. Ninguém está bem o tempo todo, a tristeza e totalmente necessária, a depressão é quando isso se torna patológico. a cada 40 segundos uma pessoa no mundo se mata e a cada 20 segundos uma tenta e não consegue. Estamos fracassando em mostrar que não há como ser feliz o tempo todo.  

Redação Alô Valparaíso