Os moradores do Araruama, bairro localizado em Valparaíso de Goiás, cidade do Entorno do Distrito Federal, pedem socorro para a Secretaria Municipal de Saúde.

Os munícipes exigem que o Órgão em parceria com a Prefeitura da cidade tomem providências imediatas de combate ao Aedes Aegypti, mosquito transmissor da dengue e de outras doenças.

Segundo os populares da região, o Araruama está cercado de mato e lixo, tendo muitos focos do mosquito da dengue em terrenos baldios. A população reclama do sumiço do Fumacê do bairro e cobra das autoridades públicas a ação dos agentes de saúde.

“Aqui a dengue tomou conta. Teve um caso de uma mulher grávida com risco de morte no Hospital. Agentes de saúde tem tempo que não vejo. Precisamos deles, só isso. Será que a nossa Prefeita não está vendo esta situação?”, disse Breno, um jovem morador do local.

O bairro convive nos últimos meses com casos confirmados de dengue e também com várias suspeitas.

A família de Weslley Araujo, morador do Araruama há vários anos, tornou-se vítima do mosquito da dengue. Ao todo, cinco familiares de Weslley sofreram com a doença nas últimas semanas.

No último dia 17 de dezembro, a Secretaria de Saúde realizou a entrega de equipamentos para o controle do mosquito Aedes Aegypti. Em publicação no Facebook, o secretário de Saúde Walter Mattos, garantiu que a sua equipe de agentes de saúde está preparada para visitar todas as residências do município, fazendo um trabalho de prevenção e conscientização da população.

No dia 15 de dezembro, o Governo de Goiás lançou uma força-tarefa denominada “Goiás Contra o Aedes”. O objetivo da ação é percorrer os municípios do Estado, incluindo Valparaíso, para combater o mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue, chikungunya e o zica vírus. A trabalho da SES-GO será realizado em parceria com as secretarias municipais, Corpo de Bombeiros e Polícia Militar.

Em 2015, Valparaíso de Goiás manteve-se sempre entre os 10 municípios goianos com o maior número de casos notificados de dengue. Ao todo, foram registrados 2.504 até o dia 10 de outubro. Os dados também confirmaram uma morte na cidade devido a doença.

Por Marcelo Carlos