O Alô Valparaíso apresenta hoje o Ipanema, bairro de mesmo nome da nobre região do Rio de Janeiro. Porém, as semelhanças param por aí. De Zona Sul o Ipanema de Valparaíso não tem nada, é o que afirmam os próprios moradores.

“Moro aqui há anos e posso te afirmar que vivemos num total abandono. É difícil saber o que não falta neste lugar, pois falta tudo. De Ipanema só o nome. A prefeita Lucimar esqueceu o nosso bairro”, diz Joabes Oliveira.

Fomos mais uma vez procurados pela população cansada de tantos descasos e do esquecimento do Poder Público. Os denunciantes reclamam da falta de infraestrutura urbana e de vários serviços essências que não chegam à região. Motoristas cobram a chegada do asfalto prometido em campanha pela então candidata e hoje prefeita Lucimar.

“Eu realmente acreditei na mudança e fui um dos eleitores da Lucimar. Me lembro da professora em cima do trio elétrico junto com o Elson, ela dizia que era amiga do Lula, do Agnelo e da presidente Dilma, e que por isso as obras iriam chegar ao Ipanema. Até agora nada, foram só promessas. Está impossível trafegar pelas ruas cheias de buracos e lama do nosso bairro”, Emanuel Ferreira.

Ao caminhar pelo bairro Ipanema comprovamos in loco o total abandono. Os cidadãos pedem socorro. Em nossa visita ao local, Maria Aparecida, moradora da região há mais de 20 anos, esbravejou contra os vereadores e pediu fiscalização das mazelas na cidade.

“Eu peço por gentileza que olhem com mais carinho para o Ipanema, para nossa cidade que está largada as cobras. Senhores vereadores, fiscalizem. Não se calem ou se vendam para essa prefeita que nada faz pelo povo. Intercedam pela população ao menos para tapar buracos”, pediu Maria Aparecida.

Outro morador procurou a página do Alô no Facebook para enviar várias fotos que comprovam a revolta dos munícipes. “Publica, por gentileza. Nem os nossos carros podem ser guardados mais em casa. Minha opinião sobre este governo é a pior possível. A prefeita não tem feito nada pelo nosso bairro. A prova está nas fotos que te enviei”, disse Regys Lima ao Alô Valparaíso.

Por Marcelo Carlos