Compartilhe esta matéria!

Da dificuldade à motivação. A volta por cima vem na continuação

Etiene Porto pretende inovar no mundo do metal com seu primeiro álbum, com o propósito de mostrar sentido para quem se sente perdido

Etiene Porto é uma jovem de 24 anos cheia de sonhos e objetivos e pretende lançar dia 7 de agosto seu primeiro álbum, intitulado: Mutatis Mutandis, que do latim significa “mudando o que tem de ser mudado”. “O conceito do álbum fala sobre propósito, cada música com temas específicos que giram em torno do propósito. Sobre a importância da autenticidade e sobre aceitar a si mesmo, como você realmente é.  É pra quem ama rock and roll! O disco conta com 5 faixas New Hard Rock e uma Pop”. Explica a cantora.

Dona de uma voz forte e cheia de timbre a artista conta um pouco sobre cada som que compoe seu projeto, “Nesse álbum, tem 6 músicas:

Cantora e compositora Etiene Porto sonha em viver da música Foto: Rauane Oliveira

Rebel sheep, Religion’s Oppression, Break This Hell, Dead Army, Not an angel e Bring You Down.  Rebel sheep é sobre voltar ao seu propósito, mesmo que esteja se sentindo perdido, pois todos nós nascemos para fazer algo especial. E completa 

Religion’s Oppression fala sobre a opressão de regras que acaba nos afastando do nosso propósito e muitas vezes, nos afastando de quem nós realmente somos (a música faz uma metáfora entre os fariseus da bíblia e os religiosos que pregam ódio em nome de Deus)

Break This Hell fala sobre aceitar seu propósito e não se sentir mal pelas pessoas que não gostam de você ou sempre te diminuem (essa é bem voltada ao assunto que deveria ser debatido dentro da “cena do rock”, que é o machismo na cena). exclama Etiene 

 Dead Army fala sobre os dias difíceis que nós pensamos que não vamos conseguir sair dessa, mas fala sobre persistência também, porque quando conseguimos superar situações difíceis, podemos ajudar outras pessoas a superarem também.

Not an angel fala sobre quem nunca vai nos abandonar.

Bring You Down fala sobre usar sua voz, mesmo que muitas vezes as pessoas querem nos calar.”  Finaliza a rockeira. Como o estilo é contracultura, ele não é tocado nas rádios mas ainda tem muita gente que faz rock em roll hoje em dia. 

Etiene tem 2 clipes disponíveis no Youtube de Dead Army e Break This Hell, e logo logo virão mais clipes. 

ETIENE PORTO – DEAD ARMY (Official Video) Foi feito no estúdio do Projeção, mostra o externo e interno. O externo, por muitas vezes perdido e nosso interior tentando se encontrar e se libertando.

BREAK THIS HELL – ETIENE PORTO (OFFICIAL VIDEO) Nesse clipe é feito uma dança expressando tudo o que a letra da música quer dizer. 

Do início até o fim

Etiene montava bandas desde os 15 anos de idade, mas foi um processo muito difícil para ela, a cantora afirma ter sempre muito machismo e nunca conseguiu realmente gravar algo, se sentia deslocada ninguém a levava a sério, “queriam mudar a forma que eu me visto, falo, até a cor do meu cabelo. Muitas vezes eu escutei que mulher não serve pro rock mas mesmo assim eu não desisti, nunca recebi nenhum incentivo da família também, porém eu respiro música então, não consigo viver sem”. 

A artista começou a compor quando teve depressão e não conseguia se expressar, então passou a escrever e a cantar mais ainda.

“Finalmente eu encontrei produtores incríveis, Allan Massay que também é um excelente cantor e o Ugo Ludovico que produz para artistas como Mc Sid, Tavin e Jotapê. Eles dois super me incentivaram e fizeram um trabalho maravilhoso com profissionalismo e dedicação total”.

E enfatiza que o machismo dentro do rock ainda é muito pesado, como em todo lugar que uma mulher tenta entrar se impor e mostrar para o que veio a cantora não vai desistir de seus sonhos vai continuar usando sua voz para alcançar pessoas e inspirar mulheres a cantar e tocar nesse meio. 

Delas para elas 

Etiene tem um exército de mulheres que a inspiram como Evanescence, The Pretty Reckless, Janis Joplin, Avril Lavigne e Paramore. O estilo das músicas desse álbum é uma junção de New Metal com Hard Rock clássico. E tem o objetivo de inspirar as pessoas, têm sede de realizar shows inesquecíveis e mudar algo nesse mundo de forma positiva.

No momento está trabalhando na área de marketing, mas crê que quando a pandemia acabar vai poder realizar shows no DF, entorno e quem sabe o mundo. E assim então viver da música. 

As músicas: Dead Army, Break This Hell e Religion’s Oppression já estão disponíveis nas plataformas de streaming

Alô Valparaíso/*Com as informações