(Foto: Reprodução/PCGO)

Compartilhe esta matéria!

Como não cair em golpes aplicados na internet? Veja algumas dicas da Polícia Civil de Goiás

 
Para titular da Delegacia de Crimes Cibernéticos, ação de criminosos pode ser combatida em 2021 com maior busca de conhecimento por parte dos usuários

Os crimes de estelionatos podem ser evitados, inclusive os que são aplicados em ambiente virtual. Para que o cidadão não se torne presa fácil de criminosos, a Polícia Civil alerta sobre a importância de estar atento ao modo de agir dos golpistas. Uma das principais táticas que estão sendo usadas no meio virtual consiste no envio de links falsos nas redes sociais, e-mails ou mensagem de texto.

Segundo a delegada Sabrina Leles, titular da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos (DERCC), os links fraudulentos geralmente trazem algo que chame a atenção do usuário. “Por exemplo: atualize seu cadastro agora, clique aqui para ser direcionado para um lugar específico para você não perder sua conta, sua conta de WhatsApp será desabilitada caso não faça isso, coisas do tipo. Sempre tem algo para chamar atenção e causar temor na pessoa que recebeu e se sinta obrigada a realizar a ação”, disse.

Em diversos casos, os links enviados podem conter malwares, que roubam dados pessoais e passam a ter controle do computador das vítimas. De acordo com a delegada, essa ação criminosa é muitas vezes adotada nos emails. Para isso, os estelionatários usam a tática de confundir as pessoas, com nome de remetentes vagos, embaralhados, letras que não formem palavras ou algum termo estrangeiro. “Caso chegue um email com nome de um remetente que você conheça, mas que não está aguardando nenhum email dessa pessoa ou empresa, desconfie. Não abra anexos em emails que você não tem certeza absoluta de que quem enviou é alguém em quem você confia”, alertou.

Para a titular da especializada, ficar atento aos detalhes pode ser uma das principais formas de não cair em golpes no ambiente virtual. No caso de emails, por exemplo, é comum que criminosos usem nomes muito similares aos de empresas idôneas, mas com variações no endereço eletrônico ou domínios diferentes. “Uma loja que tenha o nome com inicial ‘A’ e venha com dois ‘As’. Uma loja muito conhecida e que está com o nome correto, mas vem com o ‘.tu’ ao invés do ‘.com.br’. Algum domínio diferente dos usuais ou do que a verdadeira empresa usa como endereço eletrônico. A pessoa precisa estar muito atenta nesses detalhes”.

A delegada lembra ainda que é possível se proteger usando as próprias ferramentas disponibilizadas nos serviços de correspondência eletrônica. “Os emails possuem a opção de verificação de duas etapas. A pessoa tem que se informar sobre o domínio de seu email. Caso você use o Gmail, dê uma pesquisada. Leia a política de privacidade e segurança de sua conta. Procure e clique. Tem que ‘fuçar’ mesmo, para você conhecer as ferramentas de segurança que você possui e utilizá-las para poder se proteger”, destacou.

Além dos emails, as mensagens de texto são cada vez mais utilizadas em fraudes, principalmente nas ações criminosas que fazem uso de links falsos. “Ontem eu mesma recebi um link via SMS, para eu atualizar o suposto aplicativo de um banco, sendo que não possuo conta nesse banco. Então, por que vou clicar nesse link? Vamos supor que seja de uma instituição financeira que eu realmente tenho conta. O meu gerente me alertou? Essa atualização não deveria vir no próprio aplicativo? As pessoas precisam estar espertas para não caírem nesses tipos de engenharias sociais, precisam ter a malícia sempre”, frisou.

De acordo com Sabrina Leles, os grupos criminosos estão constantemente se reinventando, para perpetuar os crimes online. Eles conseguem, muitas vezes, invadir sistemas de grandes empresas e obter acesso a listas de contatos e clientes. Com os dados em mãos, os criminosos buscam formas diversas para a aplicação de golpes. “Você está acostumado a sempre receber um boleto todo dia 10, com vencimento no dia 15. Aí, no dia 8 eles mandam um boleto com esse vencimento, mas com um pequeno desconto caso pague no dia 9, o dia anterior do boleto verdadeiro. Sempre há um atrativo para a vítima cair”, pontuou.

Em 2020, foram diversos os casos de crimes online solucionados pela Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos. Em um dos casos apurados pela especializada, por exemplo, criminosos criaram um site falso de uma empresa brasileira voltada à produção de cervejas. O endereço eletrônico prometia a doação gratuita de álcool em gel após um cadastramento, mas também roubava dados pessoais das vítimas.

A delegada destacou algumas das principais dicas, para que o usuário evite cair em golpes e fraudes na internet neste ano de 2021. “Estar sempre com um bom antivírus atualizado e com a ferramenta antispam acionada. Principalmente nos emails, pois ela já cria uma proteção a mais, já que a empresa do domínio que você usa envia para o spam os emails tratados como algo a ser verificado. Você não corre o risco de estar em sua caixa de entrada e automaticamente clicar, caindo em algum fishing (tentativas de obtenção de informações pessoais e sigilosas) que pode subtrair seus dados”.

Para verificar se algum link enviado é ou não falso, o usuário pode copiar o endereço e fazer a conferência no site https://www.virustotal.com/. “É necessário estar sempre atento, principalmente às informações que a imprensa de confiança trás. Se a pessoa quer usar a internet, tem que gastar parte do seu tempo desconfiando e investindo em conhecimento e formas de se proteger, pois assim não se torna uma vítima fácil para os criminosos”, completou a delegada Sabrina Leles.

Com as informações da SSP-GO