O número de assaltos e a onda de violência continuam crescendo em Valparaíso de Goiás. E a ousadia dos bandidos assusta os moradores da cidade goiana localizada no Entorno do Distrito Federal, que apresenta diariamente uma insegurança generalizada, causadora de prejuízos imensuráveis, sendo também a responsável direta pelo enfraquecimento do comércio local.

Comerciantes estão fechando as portas de seus estabelecimentos mais cedo. A atitude está sendo tomada devido ao aumento da criminalidade na região do Entorno. Desta maneira, os empresários perdem clientes, lucram muito pouco no fim do mês e geram desemprego no município, pois sem condições econômicas favoráveis são obrigados a mandar seus funcionários embora.

A nossa reportagem ouviu relatos de muitas pessoas que desistiram de seus negócios e fecharam de vez suas lojas. Todas elas afirmaram estar cansadas de esperar a segurança prometida pelas autoridades públicas. Sem esperança e motivadas pelas perdas financeiras e abalos emocionais,  acabaram deixando a cidade de Valparaíso e muitos sonhos para trás.

Inúmeras reclamações dos cidadãos mostram que a quantidade de roubos aos estabelecimentos comerciais tem aumentado significativamente nos últimos dias. E foi devido a este fato que o proprietário de uma pizzaria fechou as portas da sua empresa na semana passada.

“Por falta de segurança e devido às duas tentativas de assalto, até tentativa de homicídio a minha pessoa, a pizzaria não irá mais funcionar. Agradeço a todos os meus clientes e amigos que estiveram ao meu lado em momentos que levarei para sempre comigo”, desabafou o proprietário da Damis Pizzaria em publicação no Facebook.

Késsia Lima, ex-proprietária de uma Skateshop, conta que o negócio administrado por ela e pelo marido durou apenas 6 meses em Valparaíso de Goiás. A loja ficava localizada no bairro Esplanada III e foi roubada por duas vezes. As ações criminosas geraram muitos prejuízos ao casal e acabaram com o sonho de uma família de ter o próprio negócio na cidade.

“O medo de sermos novamente assaltados nos assolava dia e noite. E desta forma encerrava o nosso sonho. Ficamos apenas 6 meses com as portas abertas e o aprendizado que levamos é que comércio nunca mais! Tivemos um prejuízo financeiro de mais de 40 mil reais,  fora o prejuízo emocional que não dá pra calcular”, relatou Késsia Lima.

Por Marcelo Carlos