(Foto: Edson Freitas)

Compartilhe esta matéria!

Canal de Acolhimento já recebe denúncias em Goiás

O objetivo do canal da Secretaria da Economia é facilitar, conscientizar e encorajar qualquer servidora que queira esclarecer dúvidas ou fazer denúncias- vítima de violência doméstica a denunciar e buscar proteção dentro do ambiente de trabalho

O Canal de Acolhimento para Mulheres Vítimas de Violência Doméstica, lançado pela Secretaria da Economia há duas semanas, por meio da Superintendência de Gestão Integrada (SGI), já está aberto para atendimento de qualquer servidora que queira esclarecer dúvidas ou fazer denúncias, que podem ser feitas presencialmente, pelo email: acolhimento.ggdp.economia@goias.gov.br ou também pelo telefone 62 3269-2170

O objetivo do canal é facilitar, conscientizar e encorajar mulheres vítimas de violência doméstica a denunciarem e buscarem proteção dentro do ambiente de trabalho. 

A assistente social da Gerência de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas (GGDP), Jaqueline Gondim, afirma que o Canal recebeu a primeira denúncia no mesmo dia do lançamento do projeto e avalia que a iniciativa vai ajudar muitas mulheres. “Acredito que este novo canal de atendimento vai facilitar e muito a realização de denúncias. Aqui as mulheres podem chegar até nós porque elas estão na casa delas, no ambiente delas. Elas sabem que podem se abrir sem medo, porque somos pessoas como elas”, disse.

O Canal de Acolhimento para Mulheres Vítimas de Violência Doméstica resguarda o sigilo e apuração dos fatos. As denúncias são encaminhadas à Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM). 

Saiba Mais

O projeto tem o apoio da Corregedoria Fiscal, que apura denúncias de violência que ocorrem dentro do âmbito da Secretaria e que estão contidas no regime disciplinar estabelecido pela lei nº 20.756/2020.

Para denúncias sobre violência no trabalho, a vítima pode entrar em contato pelo email corregedoria.chefia.economia@goias.gov.br ou ainda através do telefone 62 3269-2246. As denúncias feitas à Corregedoria podem ser anônimas. 

Alô Valparaíso/*Com informações da Secom-GO