Compartilhe esta matéria!

Cachorro deixado em pet shop na Asa Norte foi morto por asfixia e hemorragia, aponta laudo da UnB

Animal de estimação morreu no último dia 15 de setembro, durante procedimento de banho e tosa. G1 aguarda posicionamento da clínica veterinária.

Flock, com a tutora, Larissa Marques — Foto: Arquivo pessoal
Flock, com a tutora, Larissa Marques — Foto: Arquivo pessoal

O laudo da morte do cachorro Flock, produzido pelo Laboratório de Patologia Veterinária da Universidade de Brasília (UnB), concluiu que o animal de estimação morreu em decorrência de asfixia e hemorragia. O cão de um ano e meio foi entregue morto à dona, no dia 15 de setembro, após ser deixado na Clínica Veterinária Personal Dog, na Asa Norte, para banho e tosa.

De acordo com o exame da UnB, “o animal em tela com 1,82 kg de peso perdeu aproximadamente 48% do volume de sangue total para a cavidade abdominal, resultando em choque hipovolêmico e morte”. O parecer não conseguiu identificar a causa da hemorragia. A Polícia Civil investiga o caso.

A redação entrou em contato com a clínica para comentar o resultado do laudo da UnB, no entanto, não obteve resposta até a publicação da reportagem.

Conclusão do laudo de exame necroscópico produzido pela UnB — Foto: UnB/Reprodução
Conclusão do laudo de exame necroscópico produzido pela UnB — Foto: UnB/Reprodução

Lesões e asfixia

Segundo o documento, Flock apresentou lesões traumáticas na boca e na região da cabeça “que demonstram ação contundente mecânica que podem ou não estar associadas aos eventos concomitantes que levaram a ruptura vascular e hemorragia”, destaca o laudo.

A asfixia pode ter sido desencadeada pelo estresse durante procedimentos.

Na época do ocorrido, o estabelecimento disse que o animal “desmaiou” durante a secagem e que “recebeu todos os procedimentos de primeiros socorros aplicáveis, incluindo técnicas de reanimação cardiorrespiratória”, mas não resistiu.

Laudo de exame Necroscópico realizado pela UnB — Foto: UnB/Reprodução
Laudo de exame Necroscópico realizado pela UnB — Foto: UnB/Reprodução

Relembre o caso

No dia 15 de setembro, a empresária Larissa Marques levou seu cachorro Flock, da raça Spitz-alemão-anão, para um banho e tosa na Clínica Veterinária Personal Dog, na Asa Norte. Cerca de duas horas após deixá-lo no local, ela foi informada pelos atendentes de que o animal passou mal durante a secagem.

Em vídeo publicado nas redes sociais, a empresária Larissa Marques chora com o cão no colo. “Eles devolveram meu filho morto”, diz, aos prantos (assista abaixo).

Segundo Larissa, Flock era um cachorro jovem, sem qualquer histórico de doenças pré-existentes e já tinha tomado banho no mesmo local outras vezes. Ela contou que deixou o animal no pet shop por volta das 10h.

“Quando foi 12h30 avisaram que tinha uma intercorrência e que a gente precisava ir até o pet. Eu e meu marido saímos correndo de casa e, chegando lá, fomos avisados que o Flock tinha falecido”, contou Larissa.

Larissa afirmou que, ao examinar o corpo de Flock, encontrou machucados. Ainda segundo a empresária, o veterinário “não soube dizer” o que ocorreu. “Falou que não sabia o que aconteceu, não me deu nenhum esclarecimento”

Alo Valparaíso/Agência Brasil