(Foto: Marina Gadelha/Secec)

Compartilhe esta matéria!

Brasília ganha oficialmente a Rota do Rock

Brasília ganha oficialmente a Rota do Rock

Quase 40 anos depois de grandes nomes como Legião Urbana, Plebe Rude, Capital Inicial, Raimundos, Natiruts e Cássia Eller, entre outros, formarem a identidade brasiliense, a capital federal ganha oficialmente a Rota Brasília Capital do Rock. O decreto foi assinado pelo governador Ibaneis Rocha nesta quinta-feira (6), durante o lançamento do Pró-Economia, Etapa 1 – um pacote de medidas e ações para minimizar os impactos da covid-19 sobre profissionais e empresas do Distrito Federal.

A partir de agora, moradores e turistas contarão com uma experiência única pelo olhar do estilo musical que consagrou a história da cidade tombada como Patrimônio Cultural Imaterial do DF pela Lei Distrital nº 5.615. Em trabalho conjunto com a Secretaria de Economia (Seec) e a faculdade União Pioneira de Integração Social (Upis), a Secretaria de Turismo (Setur) mapeou 37 pontos que fazem parte da história do rock brasiliense. Esse mapeamento tem curadoria de Philippe Seabra, vocalista da Plebe Rude, e produção de Tata Cavalcante.

Entre os pontos sinalizados, estão o Parque Vivencial II, a SQS 104 Sul – quadra onde moravam os integrantes de Os Paralamas do Sucesso –, o Cave no Guará, onde ocorreu o primeiro show da Legião Urbana em Brasília, e o espaço onde foi realizado o evento Rock na Ciclovia, organizado pela banda Plebe Rude. Todos esses lugares poderão ser visitados virtualmente pela plataforma Google Earth.

A secretária de Turismo, Vanessa Mendonça, comemora: “Agora, o segmento musical do rock como destino turístico será tratado como atração principal e com as luzes que realmente merece. Considerar esse estilo tão importante para a história da nossa capital sob a perspectiva da consolidação de um destino é uma conquista inédita e de valor estratégico para o desenvolvimento de todos os setores, em especial o do turismo. E só foi possível estruturar um projeto como esse graças à atuação integrada do nosso governo com a iniciativa privada, os acadêmicos e os músicos que carregam no DNA o melhor do rock e de Brasília”.

O secretário de Economia, André Clemente, também destaca a abrangência da iniciativa. “Essa rota vai aguçar a memória afetiva de muitos moradores e será uma verdadeira descoberta para os turistas, que, ao percorrerem a rota, vão impulsionar toda a cadeia produtiva, movimentando o setor hoteleiro, o setor de transportes, restaurantes, outros segmentos e atrativos da cidade, atraindo cada vez mais turistas e consolidando a capital como destino turístico”, pontua.

Para o vocalista dos Raimundos, Digão, a rota é uma conquista muito importante que será uma grande viagem no túnel do tempo para os amantes do rock brasiliense e do Brasil. “Brasília merece demais uma iniciativa como essa”, diz. “Quando tocávamos fora da cidade e até do país, sentíamos um imenso respeito do público e o reconhecimento da nossa cidade como Capital do Rock. Estamos fortalecendo e sacramentando ainda mais isso”.

Vocalista do Plebe Rude, Philippe Seabra destaca que o movimento a inspirar toda uma geração foi se consolidando através do tempo. “A curiosidade intelectual, a lucidez e a urgência desses jovens de Brasília colocaram a capital no mapa cultural brasileiro, mudando para sempre a música popular brasileira”, avalia. “Com milhões de discos vendidos, filmes e documentários com milhões de espectadores, teses e doutorados dedicados às letras dessas bandas, o rock de Brasília é um alicerce da contestação e liberdade de expressão no Brasil, e isso tem que ser celebrado”.

Segundo o diretor da Upis, Ruy Montenegro, ao mesmo tempo que essa ação busca sensibilizar a população para valorizar o que a cidade tem de melhor, atrai mais visitantes e enaltece a importância histórica de Brasília.

“As pessoas estão esquecendo a história de um estilo musical que, mesmo com pouca estrutura, veio do entusiasmo e se fortaleceu na capital do nosso país”, afirma. “E a proposta da rota vai reforçar, com a nova geração, acontecimentos importantíssimos e determinantes de uma época tão efervescente, na qual o rock explodia e alcançava o cenário nacional”.

Projeto

Rota do Rock pretende consolidar a memória desse patrimônio da cidade por meio da marcação/sinalização dos locais que são tão importantes e emblemáticos não só para o Distrito Federal, mas para todo o país. O objetivo principal é manter viva a memória do rock brasiliense e inspirar novas gerações.

Nesses espaços serão realizados ainda eventos musicais no estilo do Porão do Rock, Picnik e o próprio Rock na Ciclovia, que contarão com a participação integrada entre bandas da época de ouro do rock brasiliense e os artistas da nova geração. A meta é promover ações que gerem mais visibilidade ao cenário independente local e possam incentivar a cultura e a economia local, estimulando o turismo interno.

A partir da rota central, o mapeamento feito pela Setur prevê ainda outros percursos menores e temáticos que atenderão os diversos segmentos específicos do rock, programando tempo de visitação, modais de transportes viáveis e acessíveis, além de respectivas paradas previstas para contemplação dos atrativos da cidade na presença de guias de turismo.

Brasília Capital do Rock passa a integrar diversas outras rotas criadas pela Setur para ajudar moradores e visitantes a conhecerem melhor os atrativos da capital federal. A série Rotas Brasília, por exemplo, conta com as rotas Fora dos Eixosdo Cerradoda PazCulturalNáuticaCívica e Arquitetônica, todas mapeadas e disponibilizadas no site da Setur.

Experiência única

Tudo começou, nos anos 1980 e 1990, com a chamada “Turma da Colina” – um grupo de jovens amigos, inspirados pelo som das bandas britânicas e das referências do punk internacional, que se reuniam no conjunto de prédios usados por professores e estudantes da Universidade de Brasília (UnB) para fazer o melhor do rock de Brasília.

Ao longo desse tempo, passaram a fazer parte da história do rock nacional os encontros nas garagens do Lago Sul e Norte, nos gramados que viraram palco da boa música, nos estabelecimentos comerciais da Asa Sul e Norte, o evento Rock na Ciclovia e o som feito no Cave (Guará).

São muitos lugares espalhados por Brasília que relembram o som das guitarras, as letras polêmicas e os visuais irreverentes. E é por esses espaços que os brasilienses e turistas vão poder circular e conhecer um roteiro mais que especial.

Confira, abaixo, os 37 pontos que transformaram Brasília na Capital do Rock.

  • 1)    Ginásio Nilson Nelson
  • 2)    Concha Acústica
  • 3)    Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha
  • 4)    Centro de Convenções Ulysses Guimarães
  • 5)    Colina – UnB
  • 6)    Cine Centro São Francisco – CLS 102/103
  • 7)    Food’s – SCLS 110/111
  • 8)    Centro Comercial da QI 11 – Lago Sul
  • 9)    Centro Comercial Gilberto Salomão – QI 5, Lago Sul
  • 10) Comércio Local da QI 9 do Lago Sul
  • 11) Rock na Ciclovia
  • 12)  Rampa acústica do Pavilhão do Parque da Cidade
  • 13)  QG da Plebe Rude (SHIN QI 8, Conjunto 10, Lago Norte)
  • 14)  Local do surgimento dos Raimundos (SHIS QI 9, Conjunto 20, Lago Sul)
  • 15)  Brasília Rádio Center (SRTVN, Asa Norte)
  • 16) Apartamento de Renato Russo (SQS 303, Asa Sul)
  • 17) Bar/restaurante Beirute (CLS 109)
  • 18) Teatro Galpãozinho (508 Sul)
  • 19) Teatro Nacional Claudio Santoro
  • 20) Ermida Dom Bosco
  • 21) Escola Americana de Brasília (EAB)
  • 22) SQS 104 Sul
  • 23) Bar Cafofo (CLN 407)
  • 24) ICC Norte, palco de grandes shows de rock nos anos 1980
  • 25) Teatro de Arena (Cave)
  • 26) Teatro Rolla Pedra
  • 27) Radicaos
  • 28) Estacionamento do Estádio Bezerrão (Gama)
  • 29) Cultura Inglesa
  • 30) Sala Funarte (Sala Cássia Eller)
  • 31) Gate’s
  • 32) Sesc 913 – Teatro Garagem
  • 33) Centro Cultural Cine Itapoã
  • 34) Galpãozinho (Gama)
  • 35) Esplanada dos Ministérios
  • 36) Torre de TV
  • 37)  Porão do Rock

Conheça a Rota Brasília Capital do Rock .

Alô Valparaíso/*Com informações da Setur