Compartilhe esta matéria!

Como prevenir fugas dos pets

a identificação do animal é de extrema importância. Mantenha-o sempre com uma coleira contendo uma placa com as inscrições do nome, endereço e telefone do tutor

Quem já sofreu com a dor de perder um companheiro sabe como é difícil conviver com a esperança do reencontro. O vínculo criado entre o cão e o tutor é muito forte, por isso, quando há a separação, o sofrimento é grande. Selecionamos 7 dicas essenciais para evitar a fuga do seu cachorro:

  1. Abrigue seu cão em um local arejado, onde ele esteja protegido do frio, chuva e calor excessivo. Assim, ele se sentirá tranquilo e confiante em seu espaço;
  1. Se assegure de que os portões que levam à rua estejam com trincos em bom estado, desse modo, se algum dia houver uma situação de pânico, ele estará seguro. Se o animal for de uma raça pequena, mantenha as grades com telas, uma vez que cães de portes menores têm facilidade em escapar entre portões;
  1. Sempre quando passear com seu companheiro, utilize a coleira e a guia. Com esses acessórios, o seu cão estará impossibilitado de sair da sua zona de alcance;
  1. Quando houver queima de fogos perto da localização do animal, mantenha-o em um lugar tranquilo e, se possível, com companhia. Ele poderá entrar em pânico e procurar alguma saída do local;
  1. Outro fator muito importante é a castração. Além de trazer vários benefícios, o animal não se interessará mais pela rua. Se for fêmea, não entrará mais no cio, diminuindo os motivos para fugir, e se for macho, não se interessará mais por procurar fêmeas no cio;
  1. Cães entediados e solitários são mais propensos à fuga, uma vez que, para eles, a euforia do acesso a um lugar novo fará com que ele associe a rua com diversão. Depois da primeira explosão do sentimento de descoberta, eles podem entrar em pânico e irem para lugares ainda mais distantes. Então, procure sempre brincar e exercitar seu animal, assim ele se sentirá confortável onde está;
  1. Quando precisar sair de casa, faça isso em silêncio. Desse modo, o desejo de fuga não é despertado no animal, uma vez que eles costumam ficar tristes e agitados quando ficam sozinhos.

Lembre-se também que a identificação do animal é de extrema importância. Mantenha-o sempre com uma coleira contendo uma placa com as inscrições do nome, endereço e telefone do tutor. Outra opção se dá por meio de um microchip especial para o uso animal, que é inserido sob a pele na base do pescoço por um profissional credenciado pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária. Desse modo, quando o animal estiver perdido, alguém poderá informar sobre a localização.
Seguindo essas dicas, dificilmente o seu cão se sentirá curioso para desbravar as áreas além dos limites da casa e, consequentemente, não fugirá para a rua. Com muito cuidado e atenção, acontecimentos inconvenientes podem ser evitados e o seu companheiro estará seguro!

Alô Valparaíso/