Valparaíso de Goiás, importante cidade goiana localizada no Entorno do Distrito Federal, vem sendo assolada por insegurança e medo, sentimentos que se tornaram rotineiros na vida dos moradores que sofrem com o alto índice de violência na região.

Segundo Letícia Juscely, de 18 anos, a população está temerosa com a criminalidade no município. A jovem lembra que muitas pessoas sentem-se reféns diante de tantos casos violentos, mortes e assaltos. Ela espera mais investimento na área da segurança pública por parte das autoridades e aguarda uma resposta positiva das forças policiais aos cidadãos de bem.

“A violência em Valparaíso só aumenta e ninguém toma as providências necessárias para resolver este problema. Somos prisioneiros do nosso próprio medo. Ficamos em nossas casas, porque não podemos mais sair às ruas em segurança”, afirmou a estudante Letícia, moradora do Setor de Chácaras Anhanguera A.

Conforme os depoimentos de muitos moradores, além dos assaltos costumeiros, o povo é obrigado a conviver com uso e venda de drogas diariamente, seja nas ruas ou em pontos de tráfico espalhados pela cidade.

“Sempre que vou buscar minha filha na escola, presencio usuários de drogas na Praça Central da Etapa A. Eles comercializam e usam na frente das crianças, sem nenhum pudor. Parece algo natural para eles e assusta todos aqueles que não estão acostumados com isso”, disse uma mãe de aluna do CEV que preferiu não ser identificada.

O registro de assaltos à mão armada seja a pessoas, comércios e residências também é algo assustador. Todos os dias novos casos chegam à nossa redação e os números são alarmantes. “Parece que neste ano tudo piorou. A maioria dos comerciantes aqui do bairro já foram assaltados e isso reflete diretamente nos lucros do fim do mês, além de fugir com os clientes. Muitas pessoas já fecharam as portas temendo novos assaltos”, disse o dono de um bar no Jardim Oriente.

Muitos casos de roubos às residências também estão sendo relatados pela cidade. Alguns moradores evitam viajar ou até mesmo ir à padaria sem deixar alguém em casa. Nem mesmo as presenças dos proprietários em suas casas afugentam os criminosos. Os bandidos roubam diversos objetos de valor, bicicletas, carros e não poupam nem ao menos os animais de estimação. Cães das raças Shih-tzu, Labrador, Pastor Alemão e Pit Bull são os preferidos da bandidagem.

Outra triste realidade que vem causando pânico aos moradores de Valparaíso, infelizmente, são os elevados índices de carros furtados ou roubados na cidade. O número de crimes deste tipo tem se tornado cada vez mais comuns e ocorrências são registradas diariamente em diversos bairros valparaisenses.

Muitos munícipes reclamam do baixo efetivo policial nos municípios localizados no Entorno do Distrito Federal. Segundo eles, além das leis frágeis, o número pequeno de policiais nas ruas tem contribuído consideravelmente com o aumento da violência em Valparaíso, haja vista que o número de habitantes na região aumentou nos últimos anos e não foi acompanhado com a efetivação de novos policiais.

“Dentre todos os municípios do Entorno de Brasília, Valparaíso encontra-se na pior situação. O município tem um dos menores territórios e figura na 5ª posição no ranking estadual em relação ao número populacional. Vivemos em um grande dilema, somos DF ou Goiás? Vergonha! A criminalidade aumenta e freia a evolução da cidade. O principal problema do município é ter 181 mil habitantes e um efetivo policial de 105 militares”, disse Carlos Alberto, 31 anos, morador da Cidade Jardins.

No mês passado, em visita realizada a Luziânia-GO, o vice-governador e secretário de segurança, José Eliton, informou que em breve será instalado o segundo batalhão das Rondas Ostensivas Táticas Metropolitana (Rotam), na região do Entorno de Brasília. Na oportunidade foram entregues 70 submetralhadoras SMT, 704 pistolas semiautomáticas e 484 coletes balísticos modelo feminino para agentes de delegacias localizadas na região.

José Eliton também aproveitou a visita ao Entorno Sul para comunicar a chegada de policiais recém-formados para municípios como Valparaíso, Luziânia, Novo Gama e Cidade Ocidental. Ainda de acordo com ele, serão entregues 700 novos veículos para as forças de segurança goianas no mês de agosto.

Por Marcelo Carlos/Foto Lenivaldo