A Sala Interfederativa do Estado de Goiás e do Distrito Federal, inaugurada em fevereiro deste ano e instalada no Comando Geral do Corpo de Bombeiros Militar do DF, apresentou, em seis meses de trabalho, queda de 91% do número de focos do Aedes, nos imóveis das 19 cidades que compõem a região do Entorno do Distrito Federal.

Dados estatísticos mostram que a ação conjunta dos entes federados permitiu queda do número de casos de dengue, em mais de 54%, em julho de 2016 (226), em relação ao mesmo período do ano passado (496), e declínio  de registros, desde o início da criação da sala, em fevereiro. A Sala Interfederativa é a primeira iniciativa, no País, que une dois governos – do Estado de Goiás e do Distrito Federal – para o combate ao Aedes.

A sala coordena, nos municípios do Entorno, as ações da força-tarefa Goiás contra o Aedes, realizada pela Secretaria da Saúde, em parceria com o Corpo de Bombeiros Militar de Goiás. Por meio do monitoramento efetivo, são definidas soluções em conjunto para aprimorar o trabalho de campo, com visitas, de casa em casa, para eliminar focos. Todos os 19 municípios do Entorno são monitorados e trabalhados a partir dessa sala.

“Os esforços concentrados na Sala Interfederativa e a ação, de casa em casa, para eliminar os focos, permitiram resultados que demonstram que definimos uma estratégia acertada”, afirma o secretário da Saúde de Goiás, Leonardo Vilela.

Goiás contra o Aedes
A força-tarefa Goiás contra o Aedes foi deflagrada em todo o Estado, em dezembro de 2015, pelo decreto de emergência em saúde pública assinado pelo governo de Goiás, com medidas para deter a proliferação do Aedes, em território goiano.

A ação em curso, em Goiás, permite que sejam visitadas todas as casas goianas onde equipes do Corpo de Bombeiros, Agentes de Saúde, de Endemias e voluntários retiraram os focos do inseto que são encontrados nas residências. Com esse trabalho, já foram realizadas mais de 10 milhões de visitas a imóveis, de janeiro até agora.

Entorno
A sala interfederada surgiu porque a região é considerada uma das prioritárias para o governo do Estado, em virtude da densidade populacional mais elevada do Entorno, o que facilita a dispersão dos casos de dengue e o aumento da proliferação do Aedes. “Esse resultado é fruto do trabalho articulado e planejado do efetivo do Corpo de Bombeiros e das secretarias de Saúde de Goiás e do Distrito Federal. Toda estratégia contra o Aedes no Entorno partiu da decisão da Sala Interfederativa”, explica o comandante da operação em Goiás,  Coronel do CBM-GO Múcio Ferreira dos Santos.

Múcio explica que observou-se que apenas, no Entorno, o Goiás contra o Aedes não apresentava os resultados esperados. “Em todo Estado, conseguimos diminuir notificações de casos de dengue de forma acentuada, porém,  no Entorno, nós não tínhamos esse resultado. Então vimos a necessidade da secretaria de Saúde de Goiás e do Corpo de Bombeiros  chamar as autoridades pertinentes do Distrito Federal para uma conversa e assim, todos entenderam que era importante estar conosco nessa parceria”, frisou.

Como parte do leque de ofertas de ações compartilhadas, Goiás, por meio do CBM–GO, ofereceu o sistema de mapeamento de quadras por georreferenciamento, o Arc-Giz.  A ferramenta permite controlar, on-line, todas as quadras de uma cidade que receberam ou não visitas dos agentes de Saúde e Corpo de Bombeiros.

Atenção Básica
“Já temos nesse momento a consolidação dos trabalhos dos Bombeiros e das Vigilâncias em Saúde, dos dois estados contra o Aedes e, agora, também, as ações conjuntas em atenção básica que terão na SalaInterfederativa de Goiás e Distrito Federal espaço garantido” comemora a Superintendência de Vigilância em Saúde da SES-GO, Maria Cecília Brito.

Segundo a superintendente, a sala interfederativa apresenta cada vez mais a capacidade de transformação e intervenção dos assuntos em saúde pública inerentes aos entes federados e, que, inclusive, tem o trabalho reconhecido pelo Conselho Nacional dos Secretários de Saúde ( Conass).

Da união contra o Aedes, surgiu a oportunidade de formalizar, também,  a instalação,  da sala Interfederativa da Atenção Básica, que é a porta de entrada do cidadão aos serviços de saúde do SUS. “Queremos melhorar a assistência, no Entorno, e a sala terá esse papel de articular estratégias para que a comunidade dessa região receba melhorias em serviços de Saúde”, diz Cecília.

Ela pontua que, Goiás e DF, também atuam, juntos, na capacitação de profissionais de campo contra o Aedes, na participação dos dois laboratórios centrais de ambos estados, sendo de Goiás, o Lacen. Além da troca de experiências, o Governo do Distrito Federal cedeu veículos para atuação nas cidades-dormitório, nos finais de semana, além da oferta de um curso de taxonomia (identificação de larvas) e aprimoramento do controle de vetores e entomologia (estudo dos insetos).

A ação da Sala parte das regionais do Corpo de Bombeiros instaladas naquela região. Assim,  é permitido que se faça um planejamento em microrregiões. Segundo Múcio, o resultado da operação no Entorno está sendo excepcional. “Isso nos faz entender que o que vem pela frente é muito mais difícil. Porque agora temos, que no mínimo, manter o resultado que nós alcançamos”, diz ele,  ao se referir a chegada do tempo chuvoso, no qual existe uma tendência de aumento de casos e notificações.

Postado por Marcelo Carlos (com as informações do Goiás Agora)